Voando com a VietjetAir (HAN/SGN)

– a Volta ao Mundo de 2017 segue em frente, chegando ao 7º trecho, mais um voo na classe Econômica com uma companhia low-cost, a bordo de um Airbus A320, indo de Hanoi/HAN para Ho Chi Minh City/SGN (a sigla deste aeroporto está associada ao antigo nome da cidade – Saigon), cidades distantes por 718 milhas (cerca de 1.150 quilômetros)

A VIETJETAIR

– a VietjetAir é mais uma das companhias de baixo-custo que operam no sudeste asiático e concentra suas operações no Aeroporto de Hanoi, capital do país e maior terminal do Vietnã; foi criada em 2007, mas só fez o seu 1º voo em dezembro de 2011, justamente na rota que eu voaria (de HAN para SGN); em 2013, a empresa fez o seu 1º voo internacional para Bangkok

– sua frota atual é exclusivamente composta por aviões de corredor único, todos fabricados pela Airbus: são 26 A320s e 15 A321s; a partir de 2019, a VietjetAir passa a receber aeronaves fabricadas pela Boeing (B737-MAX)

– a companhia possui uma subsidiária na Tailândia, com base operacional no Aeroporto Don Mueang/DMK, a THAI VIETJETAIR, com uma pequena frota de 03 A320s

A COMPRA DA PASSAGEM

– o vibrante site da VietjetAir é de fácil navegação e tem versão em inglês e os valores das passagens podem ser mostrados em dólares

– a companhia oferece praticamente voos de hora em hora entre Hanoi e Ho Chi Min City; eu comprei esta passagem com pouca antecedência (apenas 10 dias!) e os preços das opções de voo começavam em 43 dólares (por volta de R$ 135,00)

– no perfil de tarifa “ECO”, o despacho de bagagem (25 quilos custam cerca de 10 dólares – R$ 31,00) e o serviço de bordo (um combo de prato de spaghetti + garrafinha de água custa menos de 03 dólares – R$ 7,50) não estão incluídos

– o preço final depois da inclusão dos serviços (eu garanti logo o despacho de uma mala de até 30 quilos) e dos impostos, foi de 76,08 dólares (cerca de R$ 230,00)

O AEROPORTO DE HANOI 

– cheguei de Bangkok/Tailândia no Terminal 2 do Aeroporto Internacional de Noi Bai, depois de voar com a NOK AIR, a bordo de um Boeing 737-800 (confira AQUI a avaliação completa) que atende aos voos internacionais, que tem uma estrutura moderna, ampla e iluminada 

– os voos nacionais partem do Terminal 1, sendo necessário pegar um “shuttle” para chegar até lá; o ponto de embarque do ônibus é bem sinalizado; esperei menos de 05 minutos e peguei a “carona” às 20:55h, eu era o único passageiro no “busão”

Parte de fora do Terminal 1 de Hanoi

– quando entrei no Terminal 1 dei de cara com a área de atendimento da VietjetAir; a companhia tem 10 balcões de fácil identificação por conta da intensa cor vermelha; nesta noite apenas 03 deles estavam funcionando, mas sem filas, pouca gente sendo atendida; fazer o check-in e despachar minha mala foi moleza, recebi o meu boarding pass em questões de segundos, com a informação de que o Portão 1 seria utilizada para o embarque do voo; a companhia também oferece totens de auto-atendimento dos passageiros, o que é sempre uma ótima opção para aqueles que não tem mala para despachar

– a estrutura do Terminal 1 é bem mais modesta do que aquela que me surpreendeu no T2; tem cara de mais antigo, achei escuro em algumas áreas, mas é espaçoso 

– passar pelo controle de segurança deste aeroporto também foi rápido, apenas uma pessoa a minha frente para passar as bagagens de mão pelo aparelho de raio-xa fome bateu forte e segui as placas para me levar a uma pequena praça de alimentação, ao lado de uma zona dedicada às crianças, com alguns brinquedos para distrair os pequenos viajantes; há muitos monitores com informações dos voos espalhadas por esta área

– o aeroporto oferece um sistema de Wi-Fi gratuito e que funciona muito bem; por volta de 21:25h, me instalei em poltronas e consegui responder aos comentários do Facebook do V&A e ver alguns e-mails do trabalho; no saguão estão espalhados pontos de carregamento de aparelhos eletrônicos patrocinados pela Nescafé, em forma de xícara 

 

O EMBARQUE NO A320

– por volta de 22:20h, muitos passageiros já estavam em frente ao Portão 1 aguardando a convocação para o embarque, mas reparei no os monitores eletrônicos indicavam que houve troca: o Portão 5 seria a nova “ponte” de embarque do meu voo; me antecipei aos demais passageiros, fui o primeiro a chegar lá

– aproveitei para tirar fotos do avião que me levaria até o aeroporto da cidade de Ho Chi Minh City que tinha acabado de encostar no finger (a pouca iluminação e o reflexo dos vidros prejudicaram a qualidade dos registros): era um A320 com sharklets nas pontas da asa

– a VietjetAir organiza a entrada dos passageiros para agilizar esta fase do voo: primeiro as prioridades, seguidas dos passageiros da fileira 15 pra trás e, finalmente, aqueles sentados entre as fileiras 1 e 14 (eu era o primeiro da fila deste grupo)

– o embarque foi finalmente anunciado e iniciado às 22:47h, indicativo claro de que a partida seria feira com atraso, afinal, o horário previsto de partida do voo era 22:50h 

– a máquina escalada para este voo doméstico no Vietnã era o Airbus A320, de prefixo VN-A658, fabricado em novembro de 2014, está muito bem conservado e traz a tradicional configuração 3 x 3 (três assentos de cada lado), em classe única (somente Econômica); as poltronas são revestidas couro preto e os cintos de segurança são vermelhos

– meu assento era o 12C, um corredor, no lado esquerdo e ficava na saída de emergência, ou seja, eu teria um generoso espaço para as pernas durante o voo, com um ponto negativo: o encosto não reclinava, pois na fileira de trás também tinha uma porta de emergência 

– o uniforme das aeromoças me chamou a atenção: foi a 1ª vez que eu vi short fazendo parte do vestuário da tripulação de voo; uma camisa vermelha e um chapéu estiloso na cabeça completam o traje; já os Comissários usam calça preta brilhosa e camisa pólo vermelha; definitivamente, a VietjetAir é uma empresa rubro-negra (o que é uma qualificação a mais…)

Uniforme da tripulação da VietjetAir (imagem da Internet)

– um time de 05 comissários suportou este voo; como referência, no Brasil, LATAM e AVIANCA escalam somente 04 deles nos voos operados pelo A320 

– na parte de fora dos bagageiros superiores, a VietJetAir aproveita para faturar um pouco mais com publicidade: adesivos estão instalados para promover uma marca de óleo para motor

– um pouco antes da partida, um Comissário cumprimentou os passageiros da saída de emergência falando em vietcongue (acho…) sobre as instruções em caso de acidente e depois se dirigiu somente a mim em inglês (acho que minha  fisionomia entregou que eu não era “local”)

O VOO PARA HO CHI MINH CITY

– o pushback foi iniciado às 23:08h, portanto, com quase 20 minutos de atraso, enquanto taxiávamos o Chefe de Cabine ficou em pé no corredor olhando para todos e fez alguns anúncios; ele informou que teríamos 01 hora e 35 minutos de voo; como não há sistema de vídeo instalado nesta aeronave, a demonstração dos procedimentos de segurança foi feita de forma manual pela tripulação 

– a decolagem foi feita às 22:24h pela pista 11R, que tem 3.800 metros de extensão, os 02 motores CFM56 deste Airbus foram exigidos em força máxima por 32 segundos para que o avião começasse a ganhar altura 

– o silêncio desta cabine foi um grande contraste com relação ao voo anterior operado pela NOK AIR, que me levou de Bangkok para Hanoi, onde os passageiros falavam entre si em altíssimo tom

– no bolsão da poltrona à frente estão disponíveis: cartão com as instruções de segurança do A320, a revista de bordo chamada “One 2 Fly”, o catálogo do Sky Shop, além do cardápio do Jet Café

– o cansaço de um longo dia Voando e Avaliando pelo mundo me fez dormir com facilidade, só acordei com a movimentação dos comissários passando com o carrinho, oferecendo o serviço de bordo, que é pago; são várias opções de bebidas e comidas, a preço acessíveis

– além disso, uma série  de souvenires da companhia aérea podem ser comprados (inclusive uma miniatura do Airbus em escala 1/100, que seria excelente aquisição para minha coleção!), porém, mais uma vez, me ferrei: a VietjetAir só aceitava dinheiro e em moeda local (dongs), nada de cartão de crédito ou euros, as minhas únicas opções; frustração mais uma vez, fiquei não consegui comprar nenhum “brinquedo” novo durante o voo

– felizmente, enquanto passeava por Ho Chi Minh City no dia seguinte, passei por uma loja da companhia aérea e consegui comprar a miniatura do A320

– fui ao banheiro na parte de trás do Airbus para conferir: apertado como sempre nas aeronaves de corredor único e nenhuma amenidade é oferecida aos passageiros, mas estava limpo

– eram 00:45h quando a cabine começou a ser preparada para nossa chegada; o trem de pouso foi armado e travado às 00:58h e 02 minutos depois (01 da “madrugada” em ponto) tocamos o solo do Aeroporto internacional de Tan Son Nhat/SGN, um pouso extremante suave na longa pista 7R de 3.800 metros, por isso foi preciso pouca frenagem do Airbus

– encostamos no terminal às 01:06h, mas enfrentamos uma demora gigantesca para a abertura das portas; uma música ambiente tentava distrair os passageiros que já estavam de pé há bastante tempo com suas bagagens na mão; e o sistema de refrigeração ligado provocava uma névoa na cabine; finalmente, às 01:25h a porta dianteira foi aberta e o desembarque começou efetivamente 

– minha mala despachada foi “devolvida” às 01:35h na modesta área de restituição de bagagem do Aeroporto de Saigon

– no caminho até a saída, passei por um portão aberto e consegui tirar fotos do A320 que operou o meu voo estacionado, a pouco movimentação em torno dele indicava que aquela era a última missão do dia

AVALIAÇÃO GERAL: o preço “limpo” da passagem ofertada pela VietJetAir acaba enganando um pouco, pois os impostos e os adicionais quase duplicaram o valor do ticket; considerando que comprei com pouco antecedência, o gasto de R$ 230,00 para um voo de mais de 90 minutos foi bem razoável; o A320 que operou o voo era novo e está muito bem conservado; o assento na saída de emergência me trouxe um conforto adicional, apesar de não reclinar; o fato de não ter sistema de vídeo (nem coletivo) é um ponto negativo; o serviço de bordo não é gratuito, mas os preços são acessíveis, em especial, se for adquirido no momento da compra da passagem pela Internet; a postura da tripulação foi correta durante todo o voo e gostei da abordagem do comissário que percebeu que deveria falar em inglês comigo; o voo saiu com quase 1/2 hora de atraso, o que não é pouco, ainda mais considerando que foi realizado no final da noite; não aceitar cartão de crédito a bordo me parece uma falha grave e uma perda de oportunidade de venda a bordo; no geral foi uma experiência “justa” com esta low-cost vietnamita  

4 respostas

Trackbacks & Pingbacks

  1. […] Vietjet Air (companhia vietnamita que foi avaliada na Volta ao Mundo de 2017 – confira AQUI), Spring Airlines, Qatar Airways, Vietnam Airlines, Silk Air, Malaysia Airlines, Cathay […]

  2. […] New Zealand, a Japan Airlines – JAL, a All Nippon Airways – ANA, a Scoot, a Nok Air, a VietJet Air, a Thai Airways, a Qantas, a Virgin Australia e a Swiss) foram simplesmente […]

  3. […] Airlines, JetStar Pacific, VietjetAir (que me levou de HAN até SGN, confira a avaliação completa AQUI) e Tigerair em procedimentos de decolagem e […]

  4. […] Acesse a avaliação completa aqui: Voando no A320 da VietjetAir […]

Deixe uma resposta

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *