Voando com a NOK AIR (DMK/HAN)

– a Volta ao Mundo de 2017 continua, chegando ao 6º trecho, partindo da Tailândia para o Vietnã, voando nos coloridos aviões da NOK AIR, uma companhia de baixo-custo (low-cost) com sede em Bangkok, que opera uma frota de 27 aeronaves fabricadas pela Boeing (737-800), ATR (ATR-72/200) e Bombardier (Dash-8)

A COMPRA DA PASSAGEM

– eu já sabia que os preços cobrados pela NOK AIR eram muito atrativos; a companhia opera 02 voos diários entre Bangkok/DMK e Hanoi/HAN, um pela manhã e outro no início da noite; fiz a compra no meio de dezembro de 2016 pela Internet, o site da companhia tem navegação muito simples e de fácil entendimento; e optei pelo voo DD3206, com partida às 18:00h; o preço de 18,33 dólares não incluía as taxas e serviços adicionais

– a NOK AIR oferece alguns serviços adicionais no momento da compra: assento diferenciado (na parte da frente da aeronave ou na saída de emergência), seguro de viagem e franquia adicional de bagagem (em múltiplos de 05 quilos)

– preferi garantir logo o despacho de bagagem com peso de sobra, comprei alguns quilos a mais, no final, podia despachar até 30 quilos (além de 07 quilos de bagagem de mão); a NOK AIR permite escolha prévia de assentos e decidi comprar também o “Nok Prmeium Seat” e sentar na parte frontal do Boeing 737; sem querer, acabei aceitando a oferta do seguro de viagem; no final, gastei 69,40 dólares (cerca de R$ 215,00 – de taxas, foram quase 26 dólares); logo depois de fornecer os dados do cartão de crédito, recebi um e-mail com a confirmação da reserva

O CHECK-IN EM DMK

– estive aqui em 2016, quando fui para Phuket, Voando e Avaliando a AIR ASIA (confira todos os detalhes AQUI), a grande concorrente da NOK AIR no mercado tailandês; naquela ocasião, embarquei pelo Terminal Nacional e fiquei impressionado, estrutura moderna e ampla

– também na Volta ao Mundo do ano passado, voei e avaliei a própria NOK AIR, um trecho interno na Tailândia da cidade histórica de Chiang Mai para Bangkok, a bordo do B737-800 (confira todos os detalhes AQUI)

– desta vez, experimentaria o Terminal Internacional e a realidade era outra: estrutura antiga, modesta e mais apertada

– quando passei em frente ao balcão de venda de passagens da AIR ASIA, souvenirs da companhia estavam expostos em uma vitrine, “fui obrigado” a comprar mais uma miniatura para minha coleção, um Airbus A320 com pintura especial, escala 1/150, sem trem de pouso; por sorte, enquanto aguardava meu voo, “encontrei” com este Airbus pousando; na loja da NOK AIR, perguntei se os produtos da companhia estavam a venda e a resposta foi negativa

– por volta de 16:10h parti para fazer o meu check-in; para acessar a área de atendimento da NOK AIR, na Seção 6 do aeroporto, é preciso passar por um segurança que faz um controle frouxo das bagagens dos passageiros; além do meu voo para Hanoi (DD3206 – marcado para 18:00h), um outro voo para Ho Chi Min City (DD3218 – saindo às 18:30h); uma fila enorme estava formada, mas logo reparei que haviam balcões de check-in específicos para cada voo; a aglomeração de passageiros era maior para o outro voo e apenas 03 guichês estavam dedicados para o atendimento dele

– felizmente, a fila do meu voo estava bem menor, mas mesmo assim perdi mais de 20 minutos para despachar minha mala; pelo menos, fiquei conversando com um jovem professor tailandês durante este tempo, ele adora o Brasil e fez várias perguntas sobre nosso país, passou rápido

– vencida a missão do check-in, passar pelo controle de passaporte foi bem rápido, apenas 04 pessoas à minha frente, uma situação bem diferente das enormes filas que enfrentei na chegada à Bangkok, quando a confusão era geral (alerta: brasileiros precisam de comprovante de vacinação contra a febre amarela); já no aparelho de raio-x foi um pouco mais demorado, as pessoas demoravam muito para depositar os pertences nas bandejas; finalmente, às 16:45h eu estava livre para “curtir” DMK

– no corredor principal do salão de embarque e nas “asas” do terminal estão instaladas algumas lojas e lanchonetes; além disso, enormes painéis eletrônicos trazem informações sobre as dezenas de voos que partiriam de Bangkok naquela tarde e início de noite de domingo; no piso, carpetes, com várias estampas e cores

 

– o Portão 26 fica na parte final de uma destas asas, no lado direito; muitas cadeiras estão espalhadas por esta áreas, algumas delas viradas para o pátio de manobras de aeronaves 

– as grandes janelas permitem uma visão bem legal dos aviões taxiando e decolando, mas os vidros, na parte interna, tinham muitas manchas de mão, boca e nariz, além do reflexo das luzes do saguão, o que dificultou um pouco achar o ângulo certo para tirar fotos; pelo menos, os vidros não estavam muito sujos pelo lado de fora; consegui registrar vários aviões AIR ASIA (Airbus A320 e A330), NOK AIR (Boeing 737 e Bombardier Q-400), LION AIR (Boeing 737), MALINDO AIR  (Boeing 737), R AIRLINES (Airbus A321) e NEW GEN (Boeing 737)

– fiz um post específico sobre a sessão de fotos em Don Mueang, confira AQUI, mas algumas amostras estão abaixo

O EMBARQUE NO B737-800

– o embarque para o voo DD3206 foi anunciado somente às 17:35h e 02 filas foram formadas rapidamente em frente ao Portão 26, ansiedade de muitos passageiros para entrar logo na aeronave

– atrás do balcão, uma balança da NOK AIR indica a preocupação da companhia com o peso da bagagem de mão dos passageiros; a atendente que conferiu meu cartão de embarque olhou para a minha mala e mochila pequena, conferindo se eu não estava exagerando, mas não pediu para eu pesar

– na porta da aeronave, a Chefe de Cabine confirmava se todos estavam no voo certo, dando mais uma confeira no boarding passo avião escalado para este voo era um Boeing 737-800, prefixo HS-DBO, fabricado em setembro de 2006 e que já teve as cores da low-cost mais famosa do mundo – RYANAIR – antes de ser integrado a frota da NOK AIR em outubro de 2013

– meu assento era o 32C, um corredor do lado esquerdo, e não era na parte de trás como intuitivamente se pensa; na verdade, era na 3ª fileira do Boeing, pois na NOK a numeração começa no “30”; eu estava sentado em um “premium seat”, as 07 primeiras fileiras trazem esta diferenciação, refletida nos encostos de cabeça amarelos; o desgaste dos mais de 10 anos de intensa operação aparece no interior da cabine; me chamou a atenção que não tinha aquela tradicional “parede” em frente à 1ª fileira, perto da porta do avião; as poltronas são revestidas de couro azul escuro e no bagageiro superior tem um pequeno adesivo indicando que aquele espaço era exclusivo para os passageiros sentadas nos assentos Premium

– este B737 traz a configuração tradicional deste modelo de avião de corredor único: 03 poltronas de cada lado (3 x 3), com pouco espaço para as pernas, realmente muito apertado; não tem tomada nem porta USB para carregar equipamentos eletrônicos e não há sistema de vídeo instalado para o entretenimento dos passageiros 

– enquanto o embarque estava sendo realizado, a confusão e gritaria reinava a bordo; vários passageiros trocavam de lugar uns com os outros, sempre “festejando” em alto tom; a ocupação deste voo era de 80% e 04 comissárias suportaram esta viagem para o Vietnã; o uniforme delas é simples, um vestido básico amarelo

Uniforme da tripulação de cabine (imagem da Internet)

O VOO PARA HANOI

– os celulares precisam ser desligados durante o procedimento de decolagem, depois de muito tempo, voltei a conviver com esta regra que há muito tempo já está ultrapassada no Brasil; os procedimentos de segurança são demonstrados de forma manual pelas comissárias de bordo; a Chefe de Cabine informou que teríamos 01 hora e 50 minutos de voo

– o pushback foi iniciado às 17:52h, segundos depois que a porta dianteira do B737 foi fechada, algo impressionante, a sensação que tive é que o “trator” começou a empurrar o B737 com o finger a menos de 01 metro de distância dele; o  taxiamento foi rápido, decolamos muito perto de 18:00h, depois de uma aceleração de 32 segundos em força máxima dos 02 motores CFM56

– o meu “recém” amigo professor estava sentado na janela da mesma fileira 32, do outro lado do avião, e pedi para ele tirar fotos da asa com winglet e do motor direito do B737, mas a janela um pouco gasta e arranhada não ajudou muito (sorry pela qualidade das fotos!)

– logo após a decolagem, uma jovem sentou na parte da frente e foi logo advertida por uma comissária: ficar naquela poltrona custaria 300 bahts (cerca de R$ 28,00); ela se levantou e voltou para o lugar original dela

– eram 18:10h quando o serviço de bordo foi iniciado (apenas 10 minutos depois da decolagem!): foi entregue uma caixinha estilosa com uma garrafinha de água e um pacotinho de snacks (gostoso, mas bem apimentado)

– em seguida, bebidas quentes foram oferecidas para os passageiros da “área VIP” do avião; pedi café preto, que foi servido em boa quantidade e estava bom 

– o bolsão da poltrona da frente é cheio de coisas: revista de bordo, cardápio para compra de bebidas e comidas a bordo (a variedade de itens é incrível) e o catálogo NOK SHOP, onde a companhia tailandesa oferece seus souvenires 

– eram 18:25h quando foram recolhidas as caixinhas vazias e 10 minutos depois as Comissárias passaram com um carrinho oferecendo os itens do NOK SHOP e veio minha grande frustração: a companhia não aceita cartão de crédito para esta compra; depois tentei oferecer Euro, a única moeda que eu tinha na carteira, nada feito; só aceitava bahts mesmo, que pena, perdi a chance de comprar chaveiros e bonés (pelo menos não tinha miniatura do B737 a venda, aí mesmo que eu ficaria muito irado)

– o senhor atrás de mim achava que minha poltrona era o pandeiro dele, ele ficou batucando boa parte do voo; mas o cansaço por ter acordado cedinho no Japão, fazer conexão na Tailândia e estar a caminho do Vietnã bateu forte: dormi o resto do voo, a poltrona reclinava mais do que eu esperava 

– eram 19:40h quando a cabine começou a ser preparada para o pouso, as Comissárias passaram recolhendo os últimos “lixos” e orientando a todos a colocar a poltrona na posição verticalfui rapidamente ao banheiro instalado na parte da frente do Boeing; apertado, como era esperado, e estava limpinho

– pousamos em uma das duas pistas paralelas do Aeroporto Internacional Noi Bai em Hanoi/Vietnã às 19:50h e encostamos no lindo terminal de passageiros 07 minutos depois 

– a estrutura deste aeroporto da capital do Vietnã me chamou muito a atenção: tudo parecia novo, espaço amplo e muito bem sinalizado 

– passei pela Controle de Imigração vietnamita (brasileiros precisam de visto para entrar lá) às 20:35h, depois de uma fila de 12 pessoas à frente, e uma rápida caminhada me levou até a área de devolução das bagagens, onde muitos carrinhos estavam disponíveis ao lado das esteiras; minha mala chegou às 20:45h, encerrando meu voo com a NOK AIR

AVALIAÇÃO GERAL: sem dúvidas, fui atraído pelo preço-base de 18 dólares quando pesquisava as opções de voo da Tailândia para o Vietnã, mas no final, o total pago não foi uma pechincha em função dos serviços adicionais, foi apenas bom, considerando um voo internacional de menos de 02 horas de duração; a frota de B737s da NOK AIR não é nova e está configurada com cabine muito básica, sem oferecer conforto aos passageiros, sem tomada para carregar celular ou sistema de vídeo; a companhia faz propaganda de que o serviço de bordo está incluído nos preços ofertados, mas trata-se de um lanchinho simples (água + snacks); a tripulação teve uma atitude muito amistosa durante o voo, tolerando e lidando de forma correta o comportamento de alguns passageiros; a oportunidade da sessão de fotos em Bangkok foi ótima, este terminal é ótimo para registrar as manobras das aeronaves; no geral, foi uma experiência com a NOK AIR de altos e baixos, mas com prevalência de pontos mais negativos

 voos na Tailandia, como é voar na Nok Air, conhecendo a nok air, viajando dentro da Tailândia, voando com a Nok Air, aviões da Nok Air
4 respostas
  1. Júnior
    Júnior says:

    Curioso o comportamento das pessoas antes e durante o voo de tentar trocar de lugar “sem cerimônia”, seja premium ou assento normal. Acho que no Brasil, apesar de vermos as vezes umas mancadas, somos mais comportados.
    Mas achei muito original a pintura da aeronave que você estava, com o “bico de pato” na parte frontal do avião. A pintura das outras aeronaves é bem chamativa. Comparando com o Brasil, aqui curto muito as da Azul, as outras acho bem básico, como é a Avianca por exemplo.
    Parabéns pelo texto, mais um belo trabalho!
    Abraços.
    Jr

    Responder
    • Cadu Franco
      Cadu Franco says:

      Ola, Junior. Regras são regras, a NOK Air é mito transparente com relação à cobrança dos serviços, não era para ter confusão. A pintura da companhia tailandesa é bem bacana mesmo. Obrigado! V&A

      Responder

Trackbacks & Pingbacks

  1. […] a Air New Zealand, a Japan Airlines – JAL, a All Nippon Airways – ANA, a Scoot, a Nok Air, a VietJet Air, a Thai Airways, a Qantas, a Virgin Australia e a Swiss) foram simplesmente […]

  2. […] Internacional de Noi Bai, depois de voar com a NOK AIR, a bordo de um Boeing 737-800 (confira AQUI a avaliação completa) que atende aos voos internacionais, que tem uma estrutura moderna, ampla e […]

Deixe uma resposta

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *