VOANDO COM A LATAM CHILE (SCL/GIG)

– eu já registrei em outras avaliações que eu tenho a oportunidade de fazer muitas viagens de trabalho ao longo do ano e, por conta disso, tenho uma preocupação grande de fazer o melhor gerenciamento possível das milhas e pontos que vou acumulando

– desde 2016, especificamente com relação ao programa da LATAM, tenho planejado algumas viagens curtas (conhecidas como Mileage Run, ficando apenas algumas horas nos destinos ou fazendo conexões rápidas, sem sair do aeroporto) que me permitem acumular pontos qualificáveis e que me habilitam a manter um status nas categorias mais “sinistras” e com mais benefícios associados

– uma destas viagens foi realizada no final de outubro de 2018, quando parti do Brasil com direção à Colômbia no sábado de tarde, fiz uma conexão de poucas horas, passei a noite voando em direção ao Chile, onde fiquei mais algumas horas e, finalmente, voltei à “terrinha” no início da tarde de domingo; o foco desta avaliação é justamente o último voo desta rápida jornada, de Santiago/SCL para o Rio de Janeiro/GIG, cidades que estão distantes por 1.825 milhas (cerca de 2.940 quilômetros)

Mapa do “mileage run”

A CHEGADA EM SANTIAGO

– no sábado, um Boeing 767-300ER da LATAM BRASIL me levou de Guarulhos/GRU até Bogotá/BOG; voei na Premium Business, a classe superior oferecida pela companhia brasileira nos seus aviões de grande porte (Airbus A350, Boeing 767, Boeing 777 e Boeing 787)

Boeing 767 da LATAM no Aer. de Guarulhos/GRU

Inside Cabin – Premium Business do B767 da LATAM

– cheguei no Aer. Internacional Comodoro Arturo Merino Benítez em Santiago do Chile por volta das 07:20h daquele domingo, vindo da capital colombiana; por mais que eu tenha comprado passagem da LATAM AIRLINES, voei na classe Executiva de um Airbus A330 alugado da companhia espanhola WAMOS AIR (confira AQUI a avaliação completa deste voo)

Assento 4C da Business Class do A330 da Wamos Air

Airbus A330 da Wamos Air no Aer. de Santiago

– eu teria pela frente uma longa conexão até meu voo para o Rio de Janeiro; pensei em fazer imigração e dar uma volta no Centro da capital chilena, mas corria o risco de pegar o comércio fechado; por isso, a excelente Sala VIP da LATAM seria a melhor alternativa para o meu “refúgio” de 06 horas

A SALA VIP DA LATAM

– já estive neste Lounge várias vezes e sempre gostei de visitá-lo e usar suas facilidades, posso dizer que é um dos meu preferidos, juntamente com o espaço da TURKISH AIRLINES no Aeroporto de Istambul/Turquia e da THAI AIRWAYS no Aeroporto de Bangkok/Tailândia

– a partir da área de embarque, onde ficam os portões de embarque, o acesso é feito por elevador que fica dentro da maior loja de Free Shop da parte internacional do Aeroporto de Santiago

Sala VIP da LATAM – Elevador de Acesso

Entrada da Sala VIP da LATAM 

– logo na recepção, já perguntei se alguma cabine destinada ao banho estava disponível e a resposta foi positiva; a funcionária, de forma muito cordial e atenciosa, me acompanhou até lá; o banheiro é espaçoso e estava limpo; a ducha era forte, foi refrescante, mas a experiência não foi perfeita por conta de um único detalhe: das outras vezes que tomei banho, uma necessaire que é distribuída na classe Executiva estava disponível, mas agora a LATAM oferece um conjunto completo de amenidades da marca PCR

Banheiro da Sala VIP – LATAM – Aer. de Santiago

Banheiro da Sala VIP – LATAM – Aer. de Santiago

– o espaço é amplo, com muitos ambientes (área de restaurante com muitas mesas, sala da reunião, área de descanso, sala de TV com transmissão de jogos de futebol, business center e espaço para crianças) distribuídos em 02 andares; tudo muito bem decorado, arrumado e limpo

Sala VIP da LATAM no Aer. de Santiago

Sala VIP da LATAM no Aer. de Santiago

Sala VIP da LATAM no Aer. de Santiago

Sala VIP da LATAM no Aer. de Santiago

Sala VIP da LATAM no Aer. de Santiago

– no início do dia, o buffet de café da manhã estava servido e me chamou a atenção a grande variedade de opções oferecidas (frutas, frios, salgados, diversos tipos de sanduíches, iogurte com cereais, doces, sucos e café); experimentei um pouco de tudo: fresco e muito saboroso

Sala VIP – LATAM – Buffet de café da manhã

Sala VIP – LATAM – Buffet de café da manhã

Sala VIP – LATAM – Buffet de café da manhã

Sala VIP da LATAM no Aer. de Santiago

– me instalei no 2º andar, que geralmente é mais vazio; sentei em uma mesa de frente para a grande (e um pouco suja) janela de vidro e, aproveitando a ótima e ampla visão para o pátio de manobras de SCL, fiz vários registros de aeronaves, com destaque para os modelos de grande porte da QANTAS (Boeing 747), IBERIA (Airbus A340), AMERICAN AIRLINES (Boeing 787), DELTA AIRLINES (Boeing 767), AIR FRANCE (Boeing 777), ALITALIA (Boeing 777) e LATAM (Boeing 787 e Boeing 767)

Boeing 747 da Qantas

Airbus A340 da Iberia

Boeing 787 da American Airlines

Boeing 767 da Delta

Boeing 777 da Air France

Boeing 777 da Alitalia

Boeing 787 da LATAM Chile

Boeing 787 da LATAM Chile

Boeing 767 da LATAM Brasil

– no final da manhã, o buffet foi totalmente reformulado, com potinhos de salada e massas sendo oferecidos, juntamente com bebidas alcoólicas

Sala VIP da LATAM no Aer. de Santiago

O EMBARQUE NO AIRBUS A320

– por volta de 12:35h, parti da Sala VIP da LATAM e fui fazer compras de última hora no Free Shop (uma boneca “que fecha o olho para dormir” para minha filha e cosméticos para a “patroa”); a loja é grande e tem boa variedade de produtos

Área comercial do Aer. de Santiago

– o aeroporto tem também várias lojas menores, onde é possível comprar produtos locais e souvenirs, sempre boa opção para lembrancinhas para a família; eu comprei uma miniatura de uma das Moais, as famosas estátuas da Ilha de Páscoa

Área comercial do Aer. de Santiago

– depois, caminhei cerca de 05 minutos pela área de embarque (que tem um teto baixo) e cheguei às 12:50h no portão 18B, onde filas já estavam formadas e os passageiros aguardavam para embarcar no voo LA771, com partida marcada para 13:37h

Portão 18B – Aer. de Santiago

– finalmente, o embarque foi convocado e iniciado às 12:58h, com uma única funcionária da LATAM conferindo o boarding pass e passaporte dos clientes partindo para o Rio de Janeiro; usei a fila prioritária para membros com status superior do Programa Fidelidade, mas enfrentei nova fila, pois a entrada na aeronave ainda não estava autorizada; fiquei mais 10 minutos esperando em uma posição na rampa de acesso ao finger

Fila na rampa de acesso ao finger do Aer. de Santiago

– o Airbus A320 (aeronave de corredor único) de prefixo CC-BAY e que sempre teve as cores da extinta LAN Chile, foi escalado para este voo até o Brasil; está aeronave é relativamente nova, foi entregue em junho de 2012

Airbus A320 da LATAM Chile no Aer. de Santiago

Airbus A320 da LATAM Chile no Aer. de Santiago

Airbus A320 da LATAM Chile no Aer. de Santiago

– a configuração interna da cabine era a tradicional 3 x 3 (três poltronas de cada lado) em classe única (a Premium Economy não foi instalada nos aviões da LATAM Chile que operam a rota para o Rio) e com capacidade para levar até 168 passageiros; as poltronas eram revestidas com couro azul escuro (com sinais de muito uso) e contavam com encosto de cabeça ajustável

Poltronas do A320 da LATAM Chile

– eu estava sentado no assento 13A, uma saída de emergência (que me foi designado sem custo adicional, em função do meu status Black no Programa Fidelidade), no lado esquerdo do Airbus (eu dei sorte, ninguém viajaria ao meu lado, no assento do meio); um pequeno travesseiro e uma manta verde estavam colocados em cima dos assentos e disponíveis a todos os passageiros

Assento 13A do A320 da LATAM Chile

Assento 13A do A320 da LATAM Chile

– o espaço para pernas no meu lugar era muito generoso e a poltrona reclinava (os passageiros que viajaram na fileira da frente – 12 – não tinham esta opção)

Espaço para as pernas no Assento 13A do A320 da LATAM Chile

– este voo contou com mais de 90% de ocupação, portanto, 05 Comissárias e 01 Comissário (todos chilenos), que formavam a tripulação de Cabine, teriam muito trabalho pela frente

não havia sistema de entretenimento instalado nesta aeronave, nem mesmo aquelas telas coletivas localizadas abaixo dos bagageiros superiores; no nicho da poltrona da frente, a LATAM colocou a revista de bordo “Vamos” (neste mês, a reportagem principal é sobre a cidade americana de Nova York) e os cartões com instruções de segurança do A320 (um deles trazia orientações específicas sobre a operação da saída de emergência)

Nicho da poltrona do A320 – LATAM

Revista de Bordo + Cartões de Segurança – A320 da LATAM

O VOO PARA O RIO DE JANEIRO

– um pouco antes da partida, o piloto se dirigiu a todos pelo sistema de áudio para informar que teríamos 03 horas e 40 minutos de voo até o Galeão, com tempo bom em rota; ele falou primeiro em espanhol e, depois, em inglês

– o procedimento de pushback foi iniciado às 13:39h, portanto, partíamos com atraso mínimo de 02 minutos, nada de problemático; as instruções de segurança foram demonstradas aos passageiros de forma manual pela tripulação de cabine

– depois de um lento taxiamento, a decolagem foi iniciada às 13:56h pela pista 17L que tem 3.748 metros de extensão; a aceleração do par de motores CFM56 foi feito por 36 segundos até tirar o A320 do solo chileno

Alinhamento na cabeceira – Aer. de Santiago

Alinhamento na cabeceira – Aer. de Santiago

– apesar do tempo fechado, foi possível apreciar nos primeiros minutos de voo a região dos arredores da cidade de Santiago, com destaque para algumas plantações fazendo fronteira com áreas urbanas

Arredores do Aer. de Santiago – Primeiros minutos de voo

Arredores do Aer. de Santiago – Primeiros minutos de voo

– a passagem pela região da Cordilheira dos Andes foi frustrante: muitas nuvens, visibilidade praticamente zero, por isso não foi possível apreciar a bela paisagem formada pelas montanhas cobertas de neve

Muitas nuvens na passagem pela Cordilheira dos Andes

Muitas nuvens na passagem pela Cordilheira dos Andes

– o serviço de bordo chegou em mim às 15:10h: uma pequena bandeja com um sanduíche de pão preto com queijo minas e tomate, um pacotinho de biscoito cream cracker, um queijo tipo Polenguinho e a sobremesa (bolo de chocolate); os talheres eram de “ferro” de baixa qualidade, sem a logomarca LATAM; bebidas alcoólicas foram oferecidas de forma gratuita e servidas em copos de plástico: pedi vinho tinto (além de um copo de coca light) para acompanhar; para minha surpresa, até whisky (Ballantines Finest) estava disponível para os passageiros da classe Econômica

Serviço de Bordo – Classe Econômica – LATAM Chile

Serviço de Bordo – Classe Econômica – LATAM Chile

Talheres – Classe Econômica – LATAM Chile

– depois de matar a fome, era hora de trabalhar um pouco: eu tinha bastante espaço para abrir o computador e digitar com conforto; a ausência de passageiro na poltrona do meio, permitiu que eu apoiasse os copos da bebida na mesinha do lado

Espaço para computador – A320 da LATAM

– na hora da Comissária recolher as bandejas, pedi repeteco do vinho, pois o carrinho que ela empurrava trazia as garrafas das bebidas; fui atendido com simpatia

Serviço de Bordo da LATAM – Bebidas

– nesta altura do voo, o sol batia forte no lado esquerdo da aeronave; o tempo estava bom enquanto voávamos na altitude de cruzeiro, com céu azul e uma camada de nuvens brancas abaixo, uma bela vista pela janela

Céu Azul e Nuvens – Janela do A320

Céu Azul e Nuvens – Janela do A320

– olhei na parte do fundo do A320 e vi que não havia filas em frente aos 02 banheiros instalados na parte traseira da aeronave, ou seja, era uma boa hora para escovar os dentes; o toalete é pequeno, no padrão típico do A320; não estava totalmente limpo e um dos rolos de papel higiênico tinha acabado e não tinha sido reposto; a LATAM não ofereceu nenhuma amenidade, nem mesmo os lencinhos umedecidos

Banheiro do A320 da LATAM Chile – Pia

Banheiro do A320 da LATAM Chile – Vaso

– no caminho de volta para o meu lugar, aproveitei para fazer um registro da cabine do A320 da LATAM; a claridade vinda das janelas, em função do voo feito durante o dia, facilita muito este tipo de foto

Inside cabin do A320 da LATAM – Classe Econômica

– neste voo, algo me chamou a atenção: a LATAM não ofereceu o serviço de vendas de produtos “duty free” a bordo; eu sempre tenho a expectativa de alguma miniatura de avião fazer parte do catálogo, o que, infelizmente, não acontece  há algum tempo (em 2015, comprei um Boeing 767, escala 1/200, sem trem de pouso, em uma viagem de Buenos Aires para Lima)

– eram 17:10h quando foi feito o anúncio de início de descida; o Comandante informou a previsão de pouso para 17:40h, com tempo nublado na Cidade Maravilhosa e temperatura de 25 graus

– por volta de 17:30h, enfrentamos algumas nuvens mais pesadas, mas sem chuva e com turbulência leve; o trem de pouso foi armado 06 minutos depois e a aproximação final foi feita sobrevoando a Região de São Gonçalo, Baía de Guanabara (passamos por cima da Ilha de Paquetá) e, finalmente, Ilha do Governador

Aproximação para pouso no Aer. do Galeão

Aproximação para pouso no Aer. do Galeão

– o pouso foi realizado pela pista 28, que tem 4.000 metros de extensão, às 17:39h, um procedimento seguro e sem sustos

Pouso no Aer. do Galeão

encostamos no terminal de passageiros do Aeroporto Internacional Antonio Carlos Jobim – Galeão somente às 17:52h, depois de um longo taxiamento

A320 da LATAM Chile no Aer. do Galeão

AVALIAÇÃO GERAL: vale resgatar parte do que já escrevi na avaliação do voo da Colômbia para o Chile sobre o preço da passagem desta rápida jornada pela América do Sul: “a relação custo-benefício, em tese, foi muito boa, pois contemplava 04 voos dentro da América do Sul feitos em classe superior; entretanto, as mudanças feitas pela companhia ao longo dos meses entre a compra do bilhete e a viagem, levaram a situações negativas; os voos até Bogotá (do Rio para Guarulhos na Econômica do A321 e depois Bogotá na Premium Business do B767) foram satisfatórios” e, complementando, o voo no A330 da WAMOS AIR não foi bom; a área de embarque do Aeroporto de Santiago tem uma estrutura antiga e teto baixo; como o fluxo de passageiros é sempre grande, a sensação de aperto acaba surgindo; a parte comercial é boa e permite aos passageiros compras de última hora;  a Sala VIP da LATAM em Santiago é muito boa, com various ambientes, todos com conforto; fiquei quase 05 horas por lá e não foi cansativo, passou rápido; tomar banho neste Lounge é sempre bom, mas fica a “nota triste” acerca do não fornecimento da necessaire; o buffet de café da manhã era variado e saboroso; a sessão de fotos das aeronaves no pátio foi ótima, mas o vidro das janelas poderia estar mais limpo; o voo saiu com um atraso mínimo e chegou no horário previsto no Galeão; o Airbus A320 é um avião que funciona muito bem em rotas de média distância; sentar na saída de emergência foi ótimo, com muito espaço para as pernas e para trabalhar no computador, e ficou ainda melhor com a poltrona vazia ao meu lado; o serviço de bordo foi abaixo das minhas expectativas: com a partida perto da hora do almoço, caberia muito bem uma refeição, o “sanduba” jogou para baixo o nível do serviço; de positivo, a oferta de bebida alcóolica de forma gratuita; a tripulação chilena teve atitude correta durante todo o voo, com alguns lampejos de maior simpatia; no geral, tendo como ponto alto meu “refúgio” no VIP Lounge, foi uma experiência apenas boa com a LATAM CHILE

0 respostas

Deixe uma resposta

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *