Voando com a LATAM BRASIL (GIG/MCO)

– tradicionalmente, eu dedico o feriadão do Carnaval para viajar com minha família e em 2018 não foi diferente; hora de levar minha filha de 05 anos e minha enteada de 16 anos para curtir os parques da região de Orlando/Estados Unidos; 4342 milhas (cerca de 6990 quilômetros) separam a Cidade Maravilhosa da famosa cidade da Florida

A COMPRA DA PASSAGEM

– decidimos o nosso destino para o Carnaval somente em setembro de 2017; a pesquisa de preço das passagens naquela época indicava altos valores (mais de R$ 3.500,00) ou opções de voos muito ruins (mais de 01 conexão e/ou duração de viagem desanimadora)

– por conta disso, preferi aguardar a época da “Black Friday” (última 6ª feira de novembro), na expectativa de que as companhias aéreas fizessem algumas promoções; e deu certo, a LATAM BRASIL reduziu os preços e consegui comprar a passagem a um valor mais razoável (cerca de R$ 2.500,00/pessoa)

– encaixei uma combinação de voos partindo no domingo (dia 11 de fevereiro, voo direto – do Rio de Janeiro para Orlando) e voltando na 2ª feira da semana seguinte (dia 19 de fevereiro, voo com conexão – de Orlando para Guarulhos e depois Rio de Janeiro)

Detalhes do voo JJ8060, do Rio para Orlando

– o voo JJ8060 seria operado por uma das 14 unidades do Boeing 767-300ER que atualmente compõem a frota da LATAM BRASIL; esta aeronave está configurada para levar até 221 passageiros (30 na classe Executiva e 191 na classe Econômica); fazia tempo que não avaliava um voo da companhia neste modelo de avião e o fato da viagem ser diurna aumentou a minha expectativa

Boeing 767-300ER da LATAM (PT-MSV) taxiando no Galeão

Boeing 767-300ER da LATAM (PT-MOC) pousando no Galeão

Boeing 767-300ER da LATAM (PT-MSZ) com pintura da Disney estacionado no Galeão

O CHECK-IN ANTECIPADO

– me programei para fazer o check-in com a maior antecedência possível, de forma a ter a chance de conseguir um upgrade para a classe Executiva (que a LATAM chama de “Premium Business”), já que o meu status Black no Programa Fidelidade me garante esta possibilidade, desde que haja disponibilidade de lugares; a hora de realização do procedimento é critério de desempate caso o número de solicitações exceda a quantidade de lugares disponíveis na Business

– fiz o meu check-in com 71 horas e 55 minutos de antecedência: o sistema da companhia liberou o procedimento às 12:00h em ponto da 5ª feira anterior e me conectei logo em seguida; me preocupei em fazer somente o meu check-in, deixei para fazer do resto da família no aeroporto mesmo

– logo depois, tentei fazer o pedido de upgrade, mas o site estava com algum erro sistêmico, pois aparecia uma mensagem de que não havia a classe Premium Business no voo

Mensagem de erro: impossibilidade de pedir o upgrade

– tive que recorrer a uma ligação para a Central de Relacionamento da LATAM; o atendimento foi rápido e a Consultora foi eficiente, conseguiu completar o processo e, finalmente, fui incluído na lista de espera para a classe superior do Boeing 767; eu estava em 1º na lista, o que significava que eu só perderia este posto caso algum passageiro frequente da categoria Black Signature também pleiteasse

Meu lugar na lista de espera do upgrade: primeiro

O CHECK-IN NO GALEÃO

– estávamos viajando no domingo de carnaval, por isso eu tinha alguma preocupação de ter algum tipo de problema com o trânsito por conta das centenas de blocos de foliões que acontecem na Cidade Maravilhosa, por isso, saímos com bastante antecedência de casa; chegamos no Galeão/GIG por volta de 09:30h, ou seja, 02 horas e meia antes do horário de partida do voo

– no Galeão, a LATAM atende aos seus passageiros na seção G, que fica no extremo esquerdo do terminal; as filas para o procedimento de check-in estavam enormes naquela manhã

Área de atendimento da LATAM no Aer. Galeão

Área de atendimento da LATAM no Aer. Galeão

– a companhia oferece 02 filas prioritárias: uma para os passageiros que vão voar de Premium Business (que tinha 04 pessoas) e outra para os portadores do Cartão BLACK, para onde eu fui porque estava vazia); fomos atendidos de forma rápida e atenciosa no guichê G12; naquele momento, ainda não havia confirmação do meu upgrade

– eram 10:00h e já estávamos com todos os cartões de embarque em mãos; passar pelos controles de segurança (raio-x) e de passaporte foi muito tranquilo, estavam praticamente desertos, não pegamos fila alguma; por conta da minha “herdeira” de 05 anos, não foi possível usar as catracas eletrônicas da Polícia Federal, foi preciso passar pelo atendimento pessoal para conferir que ela estava viajando com os pais

Entrada do embarque internacional – Galeão/GIG

Controle de Segurança – embarque internacional – Galeão/GIG

– a passagem de todos os passageiros pela enorme loja de Free Shop é obrigatória no Aeroporto do Galeão; muitas cores e luzes atraem a atenção dos passageiros, que não podem se se descuidar do horário de embarque dos seus voos

Free Shop – embarque internacional – Galeão/GIG

Free Shop – embarque internacional – Galeão/GIG

– além disso, a área comercial desta parte do aeroporto não se resume ao Free Shop, pois o GIG ainda traz várias opções de compras e alimentação (incluindo um quiosque da tradicional Confeitaria Colombo)

Uma das muitas lojas no Aer. Galeão – Souvernirs

Confeitaria Colombo no Aer. Galeão

– o Aeroporto do Galeão, que foi privatizado no final de 2013, a partir de quando recebeu pesados investimentos, é um terminal com infraestrutura moderna e que oferece conforto aos passageiros

Área de embarque internacional – Aer. Galeão

Área de embarque internacional – Aer. Galeão

Área de embarque internacional – Aer. Galeão

A RÁPIDA PASSAGEM PELA SALA VIP

– a LATAM não tem uma Sala VIP própria no Galeão como tem em Guarulhos/GRU, por exemplo; a companhia “terceirizou” esta facilidade e utiliza os serviços do Plaza Premium Lounge, um espaço que está instalado no 3º piso do terminal

Placa indicativa da localização das Sala VIPs – Aer. Galeão

– a estrutura deste Lounge é muito boa; são vários ambientes, com decoração sóbria e móveis confortáveis, permitindo que os passageiros relaxem à espera de seus voos; muitas televisões estão espalhadas na área, com jogos de futebol e canais de notícias sendo exibidos; alem disso, um telão com informações do status dos voos também está disponível

Plaza Premium Lounge – Aer. Galeão

Plaza Premium Lounge – Aer. Galeão

Plaza Premium Lounge – Aer. Galeão

Plaza Premium Lounge – Aer. Galeão

– no momento em que chegamos nesta Sala VIP (por volta de 10:20h), o buffet que estava sendo oferecido era muito fraco e decepcionante: apenas cachorro quente e omelete ainda estavam sendo servidos, muitas bandejas estavam vazias e a máquina de refrigerantes estava quebrada, era necessário ir até o bar para conseguir um copo de guaraná

Buffet do Plaza Premium Lounge: decepção

Buffet do Plaza Premium Lounge: decepção

– na verdade, demos azar, não chegamos em uma boa hora, pois era a transição entre o serviço oferecido na 1ª parte da manhã e aquele preparado para o almoço; de fato, quando houve o buffet de almoço foi servido, a péssima impressão inicial foi parcialmente anulada: as opções de almondegas, batata e legumes assados estavam saborosas

Plaza Premium Lounge: buffet de almoço

– por fim, esta Sala VIP tem algo que me agrada bastante e sempre: uma bela e ampla visão para o pátio de manobras e estacionamento de aeronaves do GIG

Plaza Premium Lounge: visão do pátio de aeronaves no GIG

Plaza Premium Lounge: visão do pátio de aeronaves no GIG

Plaza Premium Lounge: visão do pátio de aeronaves no GIG

Plaza Premium Lounge: visão do pátio de aeronaves no GIG

O EMBARQUE NO BOEING 767

– partimos em direção ao embarque por volta de 11:15h, pois a caminhada até a área dos portões é sempre longa no GIG, mesmo com a ajuda de esteiras rolantes; no trajeto, mais algumas lojas estão instaladas, permitindo compras de última hora pelos passageiros

Acesso aos portões de embarque – Aer. Galeão

Acesso aos portões de embarque – Aer. Galeão

Acesso aos portões de embarque – Aer. Galeão

– no meio do caminho, parei rapidamente para tirar fotos das aeronaves de grande porte que estavam estacionadas no pátio (Boeing 777-200 da italiana ALITALIA, Airbus A330 da portuguesa TAP e Boeing 767-300 da LATAM BRASIL, que seria a máquina que me levaria até os Estados Unidos)

Pátio do GIG com aeronaves de grande porte

– quando estava saindo de perto da janela, fui abordado por 02 seguranças que afirmavam que era proibido tirar fotos naquele local; falei que era a 1ª vez que ouvia algo sobre este tipo de restrição e eles insistiram que era regra do aeroporto por questões de segurança; eu já passei por dezenas e dezenas de aeroportos pelo mundo afora, sempre registrando tudo que é possível, exercitando minha paixão e nunca tinha passado por situação como esta; eu não tinha tempo para enfrentar o debate, já estava na hora do embarque, preferi encerrar o “papo de maluco” e fui embora

– o Portão C68, que fica na ponta esquerda do novo terminal de passageiros, construído após a privatização, estava sendo utilizado para o embarque do voo JJ8060 com destino a Orlando/MCO

Fila para embarque no Portão C68

– as grandes janelas de vidro (razoavelmente limpas) permitiam conferir qual Boeing 767-300ER nos levaria até a terra do Mickey&Minnie: de prefixo PT-MOA, foi fabricado em abril de 2013 e entregue originalmente para a LAN CHILE, sendo incorporado à frota da LATAM BRASIL em outubro de 2014

Boeing 767-300, prefixo PT-MOA no finger do GIG

– eu já tive a oportunidade de fotografar esta máquina, que carrega as cores da antiga TAM, não tendo sido repintado nas novas cores da LATAM: uma vez no próprio Galeão/GIG e outra em Guarulhos/GRU

Boeing 767-300ER da LATAM, prefixo PT-MOA no GIG

Boeing 767-300ER da LATAM, prefixo PT-MOA no GIG

Boeing 767-300ER da LATAM, prefixo PT-MOA em GRU

– quando nos apresentamos no Portão, tivemos a ótima notícia: fomos informados que tinha sido concedido upgrade para 02 passageiros da família, com isso, eu e minha enteada voaríamos na classe Executiva; em um primeiro momento, estávamos em lugares separados: eu na 3L (janela do lado direito) e ela na 4H (parte central do avião, lado direito)

Cabine do B767 da LATAM – Classe Executiva

Cabine do B767 da LATAM – Classe Executiva

Cabine do B767 da LATAM – Classe Executiva – Assento 3L

– os aviões de fuselagem larga da LATAM, via de regra (a exceção é o Boeing 777-300ER), estão configurados na classe Executiva no esquema 2 x 2 x 2, ou seja, os passageiros que estão sentados na janela não tem acesso direto ao corredor da aeronave; no caso do Boeing 767, são 05 fileiras de assentos, capacidade de 30 lugares (02 deles geralmente estão dedicados para descanso da tripulação)

Assentos da janela no Boeing 767 da LATAM – Premium Business

– como sempre digo, é “pecado” recusar o welcome drink, mesmo sendo final da manhã: espumante brasileiro Casa Valduga, combinou muito bem com o potinho de nuts que acompanha

Welcome drink – Espumante brasileiro

– logo depois que me acomodei e armazenei a minha mochila no bagageiro superior, separando as máquinas e cabos, a Comissária me entregou a necessaire: finalmente a LATAM renovou o seu kit amenities, aquele da italiana Salvatore Ferragamo foi substituído por um que não é “assinado” por nenhuma grife internacional; apesar da troca ser positiva, o novo kit tem qualidade inferior

Necessaire da classe Executiva – LATAM

– em seguida, o menu impresso com as informações sobre as opções de almoço e lanche, além da lista de bebidas (alcoólicas e não alcoólicas) disponíveis, foi distribuído; neste voo, carne (filé mignon), peixe (badejo) e massa (ravioli de “muçarela”) eram os pratos principais à escolha dos passageiros da classe Premium Business; infelizmente, o sorvete Haagen Dazs não era uma das sobremesas oferecidas

Menu da classe Executiva da LATAM: opções do almoço

Menu da classe Executiva da LATAM: opções do lanche

Menu da classe Executiva da LATAM: opções de bebidas não alcoólicas

– neste voo, 05 lugares da Premium Business estavam vazios, enquanto a classe Econômica estava completamente lotada

– o Comandante se dirigiu a todos às 11:55h e informou que teríamos um voo com duração prevista de 08 horas e 35 minutos, que o tempo estava bom em Orlando, com temperatura de 22 graus; a comunicação foi feita em português e em inglês

O VOO PARA ORLANDO/MCO

– o pushback foi iniciado de forma pontual: eram exatamente 12:00h quando o avião começou a ser rebocado para trás; durante o taxiamento, valeu o registro de aviões (Boeing 777) da AMERICAN AIRLINES e da angolana TAAG no pátio do GIG

Boeings 777 da American Airlines e TAAG

– o procedimento de decolagem foi feito pela Pista 10 do aeroporto carioca e foi iniciado às 12:13h; voar em um dia de sol é sempre um privilégio

Cabeceira da Pista 10 – Aer. Galeão

Cabeceira da Pista 10 – Aer. Galeão

– os 02 motores fabricados pela General Electric – GE CF6 – aceleraram em potência máxima por 39 segundos até tirar o Boeing do chão; nos momentos iniciais do voo, passamos por cima do tradicional bairro carioca da Ilha do Governador e em seguida a Baía de Guanabara

Sobrevoando o bairro da Ilha do Governador

Sobrevoando o bairro da Ilha do Governador

Sobrevoando a Baía de Guanabara

– logo depois que o sinal de apertar cintos foi apagado, perguntei à Chefe de Cabine se poderíamos trocar de lugar, para ficarmos juntos, pois os assentos 5A e 5C estavam vagos: “no problem“, lá fomos nós para a última fileira da Executiva do B767 da LATAM Brasil, no lado esquerdo da aeronave

Novos assentos na classe Executiva – 5A e 5C

Novos assentos na classe Executiva – 5A e 5C

– o fone de ouvido – embalado em um “plástico-bolha” – para o sistema de entretenimento só foi distribuído depois da decolagem; o equipamento funciona bem, isolando de forma satisfatória os ruídos externos, permitindo um boa audição do som do sistema de vídeo

Fone de ouvido – classe Executiva – LATAM

Fone de ouvido – classe Executiva – LATAM

– logo depois, o conjunto de cobertor (extremamente confortável, como sempre) e travesseiro (pequeno, sempre registro que podia ser maior), que fica armazenado no bagageiro superior, foi entregue aos passageiros que demostraram interesse

Conjunto de cobertor e travesseiro – classe Executiva

voo diurno é oportunidade para ver muitos filmes e o sistema de entretenimento da LATAM contribui, pois a variedade de filmes com opção de legenda ou dublagem em português é muito boa; comecei logo a ver “Marshall – Igualdade e Justiça”, um ótimo filme que retrata o enfrentamento de paradigmas do racismo nos Estados Unidos; a tela tem tamanho razoável e adequado e a resolução dela não é um problema

Sistema de vídeo – B767 – LATAM

Sistema de vídeo – B767 – LATAM

– os comandos que permitem controlar o reclinar da poltrona e o controle remoto do sistema de vídeo estão bem localizados, de fácil acesso e ambos são de tranquilo manuseio

– já a localização da tomada universal e porta USB– facilidades extremamente indispensáveis nos dias de hoje para carregar os equipamentos eletrônicos – é péssima; conseguir encaixar um cabo é um exercício de “adivinhação“; a melhor forma de conseguir é levantar, ficar de joelhos de frente para o assento e conseguir ter visão clara dos buracos

Tomada universal e porta USB – Boeing 767

– eram 12:35h quando a Comissária passou pelo corredor e de forma paciente anotou as escolhas do almoço de cada passageiro; como estávamos na última fileira, sabia que o serviço de bordo ia demorar a chegar, por isso, fui logo conferir o banheiro que está instalado na parte frontal do B767, logo atrás do cockpit: espaçoso e estava limpo; a LATAM oferece lencinhos umedecidos aos passageiros da classe superior

Pia do banheiro do Boeing 767 da LATAM

Amenities oferecidas no banheiro do B767 da LATAM

Vaso do banheiro do Boeing 767 da LATAM

– a tradicional toalhinha quente foi entregue às 13:00h, mas o nosso almoço só foi servido 30 minutos depois; ficar na última fileira da Premium Business tem seus problemas: é sempre o último a ser servido e corre o risco de opções do cardápio não estarem mais disponíveis

– a LATAM opta por servir nesta rota (GIG/MCO) uma bandeja com todas as “etapas” da refeição de uma vez só: salada, prato principal, sobremesa e pão para acompanhar (geralmente, as sopas quentes oferecidas como opção de entrada pela companhia são saborosas, mas não havia esta opção neste trecho); a salada estava fresca e muito gostosa; as batatas e aspargos estavam deliciosos, mas o pedaço de filé estava muito bem passado, cortá-lo foi um difícil

Almoço da Premium Business – LATAM – GIG/MCO

Filé Mignon – Muito bem passado

– para beber, mantive a opção do espumante brasileiro (servido em copo de vinho), mas pedi também um copo de refrigerante e água com gás para acompanhar

Espumante brasileiro no almoço

– finalizei a refeição com uma xícara de café preto, que foi servido junto com pastilhas de chocolate amargo

Café preto e chocolate: fim da refeição

– minha bandeja foi recolhida somente às 14:10h; logo em seguida, uma garrafa de água foi entregue a todos os passageiros, sugerindo que era hora de todos descansarem

– uma das opções disponíveis no sistema de voo é o mapa de voo, com informações “real time” da localização do avião e da sua velocidade: naquele momento, voávamos a 916 km/h

Sistema de vídeo: mapa de voo

Sistema de vídeo: mapa de voo

Sistema de vídeo: mapa de voo

– quando uma Comissária passou pelo corredor ao meu lado, pedi “repeteco” do espumante; depois de 10 minutos, ela ainda não tinha voltado, ou seja, fui ignorado; decidi levantar e ir lá no galley fazer um novo pedido; a Comissária falou que me levaria em seguida; mais 10 minutos e, acreditem, fui ignorado de novo!!! acionei o botão de chamada de comissário e, desta vez, desistindo do espumante, pedi um vinho tinto; finalmente consegui ser atendido!

– naquela altura do voo, muitos passageiros dormiam, acho que somente eu e as crianças que estavam sentadas perto de mim, estávamos acordados somente (minha enteada dormia profundamente ao meu lado)

Visão da cabine: meio do voo entre GIG e MCO

– o sol estava forte lá fora, um convite para tirar foto do conjunto “asa com winglet + motor” do Boeing 767 da LATAM

Asa + Motor do Boeing 767: lado esquerdo

Asa + Motor do Boeing 767: lado direito

– o sono começou a bater, decidi colocar a poltrona na posição “full flat (180 graus) e tentar descansar um pouco; apertando um único botão, o assento vai reclinando de forma lenta até virar uma cama, com bom cumprimento, mas um pouco apertada na largura 

Poltrona que reclina 180 graus – B767 da LATAM

Poltrona que reclina 180 graus – B767 da LATAM

– na verdade, não consegui dormir, fiquei fazendo lendo e-mails do trabalho; quando eram 18:10h, o sinal de apertar cintos foi acionado, seguido de um anúncio da Chefe de Cabine que passaríamos por uma área de turbulência; foram quase 30 minutos de um chacoalhado de leve a moderado

– uma nova toalhinha quente foi distribuída às 19:30h, indicando que a hora do lanche estava próxima, mas fomos servidos somente às 20:10h; a “maldição da última fileira” me prejudicou uma vez mais: o  sanduíche de presunto cru tinha acabado, só me restando aceitar a quiche de toucinho e queijo brie (fria e sem sabor) que foi servida acompanhada de salada (de alface, pepino, tomate e aspargos) e sobremesa (bolo de panqueca e doce de leite), que estava uma delícia

Lanche da Premium Business – LATAM – GIG/MCO

– eram 17:45h (já no horário americano – a diferença de fuso horário nesta época do ano era de – 03 horas) quando ouvimos o aviso vindo da cabine de comando: “atenção tripulação, preparar para o pouso”; era hora dos Comissários prepararem a cabine para nossa chegada ao destino final

– a parte final do voo, depois de iniciado o procedimento para pouso foi um espetáculo à parte: o céu daquele final de tarde sobrevoando os Estados Unidos estava simplesmente lindo, com nuvens de diferentes tons de cor e o sol se despedindo

Procedimento de descida com pôr do sol maravilhoso

Procedimento de descida com pôr do sol maravilhoso

Procedimento de descida com pôr do sol maravilhoso

Procedimento de descida com pôr do sol maravilhoso

Procedimento de descida com pôr do sol maravilhoso

Procedimento de descida com pôr do sol maravilhoso

Procedimento de descida com pôr do sol maravilhoso

Procedimento de descida com pôr do sol maravilhoso

– o novo aviso da cabine de que estávamos próximos do pouso foi feito às 18:03h e, logo depois (03 minutos), tocamos suavemente a pista do Aeroporto Internacional de Orlando/MCO; os segundos finais do voo também foram prazerosos, a paisagem vista pela janela do Boeing continuava linda

Segundos finais do voo GIG/MCO – B767 da LATAM

Segundos finais do voo GIG/MCO – B767 da LATAM

Segundos finais do voo GIG/MCO – B767 da LATAM

Segundos finais do voo GIG/MCO – B767 da LATAM

Segundos finais do voo GIG/MCO – B767 da LATAM

Segundos finais do voo GIG/MCO – B767 da LATAM

Pouso do B767 da LATAM em MCO – reverso acionado

– depois de taxiar longamente, ficamos quase 20 minutos parados na pista esperando lugar para encostar no terminal e a criançada que estava dentro do avião começou a ficar ansiosa e eufórica, uma gritaria geral podia ser ouvida, a alegria estava no ar; chance de clicar um clássico Boeing 757 da DELTA AIRLINES, o maior avião de corredor único produzido pela fabricante americana

Boeing 767 da LATAM taxiando em Orlando/MCO

Boeing 767 da LATAM taxiando em Orlando/MCO

Boeing 757 da DELTA taxiando em Orlando/MCO

– finalmente, fomos autorizados a finalizar o procedimento de taxiamento e encostamos no terminal americano às 18:30h; na saída do avião, a noite estava começando em Orlando e um Boeing 747 da inglesa VIRGIN ATLANTIC estava estacionado perto do Boeing 767 da LATAM

Boeing 767-300ER da LATAM, prefixo PT-MOA em MCO

Boeing 767-300ER da LATAM, prefixo PT-MOA em MCO

– o controle de segurança e o processo de imigração em Orlando é lento e muito rigoroso; demoramos mais de 01 hora até passar pelo controle de passaporte e resgatar nossas malas; por fim, ainda é necessário pegar trenzinho para acessar o terminal de passageiros e pegar o carro que tínhamos alugado

Chegada no Aeroporto de Orlando/MCO

Chegada no Aeroporto de Orlando/MCO

Chegada no Aeroporto de Orlando/MCO

AVALIAÇÃO GERAL: considerando o período desta viagem – Carnaval – e o seu destino – Orlando – a decisão de aguardar as promoções da Black Friday no Brasil foi acertada, pois o valor da passagem atingiu um nível razoável; a concessão do upgrade para a classe Premium Business, em função do meu status Black no Programa Fidelidade, tornou este quesito ainda melhor; o Boeing 767 é o meu avião “queridinho”, foi nele que voei na 1ª vez que fui para a Europa em 2001, tenho uma relação especial com ele; é uma aeronave com projeto estrutural ultrapassado, mas que tem ajudado muito a LATAM na sua expansão recente; os modelos utilizados pela companhia são relativamente novos e trazem boas opções de conforto aos passageiros; a situação que vivenciei de praticamente implorar por uma taça de espumante é inexplicável e totalmente fora da curva, lembrando que tenho tido muitas experiências em cabine superior da LATAM nos últimos anos; entretanto, não pode ser ignorada para fins de avaliação e precisa ser apontado como ponto extremamente negativo; o voo operou de forma pontual, o que é sempre algo positivo; a nova necessaire é uma boa notícia, afinal, a anterior da Salvatore Ferragamo foi utilizada por muitos e muitos anos, entretanto, a qualidade dos produtos oferecidos dentro dela sofreu um “downgrade”; o serviço de bordo também merece uma “nota” mais crítica pelo somatório de pequenos detalhes: forma de servir o almoço, filé mignon muito passado, quiche sem sabor e ausência do sorvete como opção de sobremesa (ainda mais para um voo diurno); em resumo, considerando as recentes experiências com a LATAM Brasil, este voo ficou abaixo da média

voando na classe executiva da LATAM, como é voar com a LATAM para Orlando, executiva da TAM, vale a pena voar na executiva, indo para orlando com a TAM, como é voar na TAM, como é voar na latam
7 respostas
  1. Marcones Macedo
    Marcones Macedo says:

    Amei sua avaliação, me senti como que se estivesse viajando junto, parabéns, de fato uma avaliação de excelência. Acho que vou atender os Clientes elites, quem sabe ainda consiga atendê-lo, (risos). Obrigado pela sua avaliação.

    Responder
  2. Rafael Filho
    Rafael Filho says:

    Muito legal o relato. Fiz o voo GIG-MIA diurno dia 16/03/2018, e foi bem parecido com o seu, mas com algumas coisas melhores. Consegui upgrade na ida, por oferta e foi maravilhoso.Tripulação exemplar. Teve almoço e janta com filé no ponto e muito saboroso, e com Haagen Dazs de morango 🙂 Como estava na 1A e 1C, com minha esposa, podemos sempre escolher o que comer. E estava tudo divino. Os vinhos malbec, cabernet e pinot noir, as sobremesas… O voo na econômica estava bem ocupado, mas na executiva tinha uns 60-70% ocupado, tanto que a primeira fileira ficou vazia, e tivemos ainda mais privacidade após a decolagem.
    Gostei tanto que quero virar platinum ou black latam. Como faço alguns mileage runs para conseguir? Poderia me sugerir? Pensei em voar GIG-MIA e MIA-LAS.
    Moro em Floripa, mas sou carioca e minha mãe mora no Rio. Minha esposa é comissária, mas não gosto de viajar de econômica com myid ou benefício 🙂 Estou visitando em gostando muito do seu site, parabéns.

    Responder
    • V&A
      V&A says:

      Olá, Rafael! obrigado pelos seus comentários! Me diga uma coisa: quanto você pagou pelo upgrade?
      Vamos lá, vou te dar os detalhes do meu mileage run deste ano:
      1) viagens ‘regulares’, com família ou esposa:
      – Brasil/Estados Unidos em Econômica (justamente esta viagem do Carnaval)
      – Rio/Lima/Los Angeles/Lima/Rio: Econômica
      2) viagens focadas no acúmulo de pontos:
      – Rio/Santiago/Rio (Econômica do A320) + Santiago/Bogotá/Santiago (Executiva do B787)
      – GRU/Santiago/Bogotá/Santiago/GRU (tudo de B787 em Executiva)
      Com estes voos, consigo acumular mais de 60.000 pontos + 6 trechos em cabine superior, me encaixando no 3º critério do Fidelidade para ser Black em 2019.
      Obrigado por seguir o Voando e Avaliando!!! Bons voos! V&A

      Responder
      • Rafael Filho
        Rafael Filho says:

        Obrigado pelas informações, paguei 1060 para minha passagem e 1060 para minha esposa na ida. Achei um bom negócio.
        Vou estudar suas rotas e ver como adequar ao meu perfil.
        Na volta eu fiz uma oferta menor, de 980 reais x2, pois aquele medidor indicava que estava mais baixo para conseguir. Deveria ter feito maior, pois não consegui o upgrade. Mas nem sei se influenciou.
        Teve um problema nessa parte, que parece recorrente na Latam, o checkin não funcionava na volta, me impossibilitando de ter chances de participar no leilão. Na internet dava route not available, algo assim, e quando liguei pro atendimento, disseram que também dava problema e que eu tinha de ir no guichê do aeroporto. Mas eu estava em Orlando, e não tinha como.
        Relatando o caso pras comissárias, elas disseram que dias antes, um cliente Black também não conseguiu o upgrade, por um problema parecido, e nem pagando ele conseguiu, deixando o passageiro indignado, e com toda razão. Isso me deixa inseguro nesse processo da Latam.
        Por mim eu pagaria sempre o upgrade pra executiva, nesses valores que paguei. Não sei se sendo platinum ou gold, posso sempre tentar o leilão com dinheiro.

        Responder
  3. Rafael Filho
    Rafael Filho says:

    Outra estratégia que montei foi voar FLN- CGH/GRU-SDU/GIG, assim completando 4 trechos por viagem em FLN-RIO, sempre passando por SPO. Com isso com 6 x 4 = 24 viro platinum. Seria uma boa estratégia ou sugere algo meljhor? Abs.

    Responder
    • V&A
      V&A says:

      A estratégia é boa para focar no Platinum. Mas se você quiser mesmo o Black, tem que incluir viagens internacionais, não tem jeito. Os voos para Bogotá que te indiquei no outro comentário vão ser feitos em fins de semana. Bons voos! V&A

      Responder

Deixe uma resposta

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *