Voando com a TRANSAVIA (SXF/RTM)

_label_Transavia_BER-RTM

– esta viagam faz parte das minhas curtas férias com minha esposa que tiramos em setembro de 2016; tive que pesquisar como ir da Alemanha (Berlin) para a Holanda; os preços da KLM e da LUFTHANSA (as principais companhias dos países) dos voos para Amsterdam eram absurdamente caros, por isso, recorri às empresas de baixo-custo (low-cost), o que me levou a encontrar a opção da TRANSAVIA, que tem 01 voo diário pela manhã para Roterdã, uma cidade que fica a apenas 01 hora de trem de Amsterdã (Nantes/França e Munique/Alemanha são os outros destinos operados pela companhia a partir de Berlin)

A TRANSAVIA

– a TRANSAVIA fez o seu 1º voo em 1966 e hoje faz parte do grupo AirFrance-KLM (o maior grupo de aviação comercial da Europa), operando uma frota de cerca de 70 aviões, todos eles são Boeing 737 dos modelos 700 e 800; no verão europeu, época de altíssima demanda por transporte aéreo, a GOL aluga alguns aviões para a TRANSAVIA

– são mais de 100 destinos atendidos pela companhia na Europa, além de rotas para o Norte da África (Argélia, Marrocos e Tunísia) e Oriente Médio (somente Dubai) a partir de seus principais hubs instalados na Holanda, França e Alemanhã

A COMPRA DA PASSAGEM

– o voo diário de Berlin para Roterdã sai no início da manhã e dura um pouco mais de uma hora; a pesquisa feita pela Internet para voar em março de 2017 mostra que a TRANSAVIA realmente é uma companhia low-cost, com preços atrativos a partir de 25 euros

pesquisa-passagem-transavia

– a companhia oferece 03 tipos de tarifas: BASIC (que não dá direito a despachar malas e não permite marcação de assentos), PLUS (que inclui uma franquia de 20 quilos para mala despachada, marcação de assentos simples e mudança de voo com antecedência de 14 dias) e MAX (a mais cara de todas, 30 quilos de bagagem, assentos “premium” e mudanças com antecedência de 02 horas)

tarifas-transavia

– a minha passagem foi comprada no final de janeiro de 2016, ou seja, com nove meses de antecedência; o processo é muito simples, com opção de site em inglês; o valor pago foi 37 euros (por pessoa) na tarifa PLUS; comprei preventivamente 05 quilos adicionais  de bagagem despachada por 5 euros; no geral, a relação custo-benefício foi excelente

comprovante-transavia

– originalmente, o voo sairia do aeroporto de Tegel/TXL, o terminal mais antigo e que fica no lado ocidental de Berlin e que fica mais perto do centro da cidade; entretanto, no final de fevereiro, recebi um e-mail informando que a TRANSAVIA tinha mudado suas operações de TXL para o aeroporto Schonefeld/SXF, que fica no lado oriental e é mais distante do centro; não achei ruim a mudança de terminal, pois a vantagem de SXF é a possibilidade de ir de trem, pois ônibus é o único transporte público que chega em TXL

mudanca-aeroporto-transavia

O CHECK-IN

– a TRANSAVIA abre o check-in pela Internet com 30 horas de antecedência do voo; no meu hotel em Berlin tinha disponível aos hóspedes um computador com impressora: o processo é muito fácil e rápido, realmente chama a atenção a preocupação da companhia holandesa em oferecer comunicação clara e intuitiva aos seus clientes nos canais digitais; logo em seguida, recebi um e-mail com o cartão de embarque

check-in-transavia

O AEROPORTO SXF

– com o voo marcado para 09:10h e com horário de embarque indicado para 08:40h, preferi ser precavido e chegar com antecedência no aeroporto; pesquisei os horários dos trens em direção a SXF e me programei para pegar o trem de 06:54h na estação Alexandreplatz (linda, muito perto do meu hotel e a mais central de Berlin); a compra do ticket é feita em máquinas dentro da estação e custa 3,50 euros

 – o trem chegou na estação pontualmente e estava cheio, mas não tive problemas para conseguir acomodar as malas; são apenas 03 paradas até SXF e demorei cerca de 25 minutos no trajeto

– o trem parou na estação Schonefeld Flughafen às 07:20h em ponto; de lá, foram 10 minutos de caminhada até o terminal; a TRANSAVIA opera na Seção A de SXF, a menor do aeroporto; em função de algumas obras, a sinalização para esta parte do aeroporto não estava boa, tive um pouco de dificuldades para achar

– a fachada de Schonefeld é simples, com vidros espelhados e me lembrou muito do Santos Dumont (o aeroporto central do Rio de Janeiro) na década de 80, quando um único prédio formava o terminal carioca

– por dentro, o aeroporto tem uma estrutura antiga e pacata, sem exageros; o controle de segurança é feito antes dos passageiros alcançarem a área de check-in das companhias aéreas: tive que passar as malas no raio-x, inclusive aquelas que seriam despachadas

– neste horário da manhã, 02 voos da TRANSAVIA são operados: um tem como destino Munique e parte às 08:20h e o outro vai para Roterdã

Painel Eletronico - SXF

– cheguei no balcão de check-in da TRANSAVIA às 07:45h: 02 guichês estavam funcionando e só havia uma pessoa à frente; o atendimento foi rápido e eficaz, durou apenas alguns segundos; o funcionário teve tolerância com o pequeno excesso de peso: uma das malas tinha 25,3 quilos, 300 gramas a mais do que a minha franquia

– para chegar no saguão de embarque, há outro controle de segurança, é necessário passar as bagagens de mão novamente pelo aparelho de raio-x; eu retirei o meu laptop da mochila, mas neste aeroporto as máquinas fotográficas também devem ficar à mostra, como não tinha tirado, tive que passar por uma inspeção na minha bagagem

– o saguão de embarque é modesto e apertado, mas tem muitas lojas e lanchonetes; no banheiro, a aparência de da pia e dos azulezos é muito antiga, mas é limpo e cheiroso

– andando pelo saguão, encontrei alguns janelões de vidro que permitiram observar o pátio de aeronaves; a low-cost EasyJet opera vários voos pela manhã em SXF e é grande a movimentação dos Airbus com pintura laranja, que lembram muito os Boeings da nossa GOL

– somente às 08:20h foi confirmado nos monitores do saguão o portão por meio do qual seria feito o embarque do voo HV 5706: Portão 6; automaticamente, foi possível perceber que muitos passageiros se dirigiram para lá

O EMBARQUE NO B737-800

– B737-800 que me levaria até Roterdã/RTM chegou em Berlin somente às 08:35; apenas 15 minutos depois foi anunciado pelo sistema de áudio do aeroporto que o embarque do voo HV5706 começaria em alguns intantes; eram 08:55h quando os passageiros foram finalmente convidados a embarcar na aeronave da TRANSAVIA

– uma mensagem de boas-vindas em várias línguas está pintada na fuselagem do avião, ao lado da porta; a Chefe de Cabine saudava a todos os passageiros na porta, com muitos sorrisos

– a aeronave escalada para este voo tinha o prefixo PH-HXA, um dos mais novos da frota da TRANSAVIA, entregue em março de 2016, ou seja, está na ativa há apenas 06 meses; infelizmente não era um dos B737 que a GOL aluga para a companhia holandesa; o PR-GGY, por exemplo, foi entregue à companhia brasileira em fevereiro de 2010 e desde março deste ano opera na TRANSAVIA com o prefixo PH-GGY

– o interior da aeronave era marcante: realmente tinha um ar de nova, com bancos de couro verde bem chamativo, no teto, a tecnologia Sky Interior, que combina cores e luzes para maior conforto dos passageiros; este voo tinha baixa ocupação, cerca de 50%; meu assento ero o 8F, uma janela do lado direito e espaço para pernas era apenas razoável

– o uniforme da tripulação me chamou atenção: as comissárias usam um vestido azul escuro, com echarpe verde ou macacão verde; pesquisando sobre a TRANSAVIA na Internet, descobri que novos uniformes são utilizados desde maio de 2015 e que os funcionários participaram do desenvolvimento dele

uniforme-transavia

O VOO PARA ROTERDÃ

– o embarque foi encerrado às 09:00h e o pushback foi feito às 09:06h; a comunicação da tripulação com os passageiros é feito em holandês e inglês; a Chefe de Cabine se dirigiu a todos e informou que a duração do voo seria de aproximadamente o1 hora e que os celulares poderiam ficar em modo avião em todas as fases do voo

– durante o taxiamento, a demonstração dos procedimentos de segurança foi feita de forma manual pelas Comisiárias: a Chefe de Cabine usa o microfone e as outras 03 aeromoças fazem a tradicional demonstração; o trajeto até a cabeceira da pista foi longo, decolamos somente às 09:21h, a aceleração em potência máxima dos 02 motores CFMI do Boeing durou 32 segundos

– logo após a decolagem, o Comandante, de forma extremamente simpática, se dirigiu aos passageiros confirmando que teríamos 1 hora de voo e que ele daria mais informações durante o trajeto; o sinal de apertar cinto apagado rapidamente, apenas 03 minutos depois da decolagem

– eram 09:35h quando foi iniciado o serviço de bordo: a TRANSAVIA é companhia de baixo-custo, portanto, a bordo nada é grátis, dinheiro e cartão de crédito são aceitos para pagamento das escolhas dos passageiros; no bolsão da poltrona da frente, tem um menu de tudo que é vendido, por exemplo: água e refrigerante a 2,80 euros, cerveja a 4,00 euros, suco a 3,00 euros, tábua com snacks a 6,00 euros, além de algumas opções de combo com algum desconto sobre o valor individual de cada produto; não achei os preços convidativos para comprar algo

– não há sistema de vídeo, a única opção de entretenimento oferecida é a revista de bordo “ENJOY”, que tem conteúdo em inglês e holandês; nela há informações sobre as rotas atendidas pela TRANSAVIA e da frota operada pela companhia; na verdade, a revista é “dupla”, pois no verso dela tem uma outra publicação de nome “SHOP”, com a indicação dos produtos que são vendidos a bordo

– a Chefe de Cabine anunciou, depois de encerrado o serviço de bordo, que os produtos para venda estão disponíveis e quem se interessar poderia acionar o botão de chamar a tripulação para ser atendido: foi o meu caso, comprei 02 unidades da miniatura de avião da TRANSAVIA, escala 1/200 (um para minha coleção e outro para 7º Sorteio do V&A realizado no dia 01.10.2016)

– o Capitão se dirigiu a todos novamente: ele queria confirmar que o tempo estava bom e sem nuvens em Roterdã e que a temperatura por lá era de 24 graus; realmente o tempo esteve bom durante todo o percurso, me levando a tirar várias fotos pela janela do Boeing, tendo a turbina direita e a asa com winglet como foco

– 10 minutos depois, quando já estávamos na fase final do procedimento de aproximação para pouso em Roterdã, o Comandante comunicou à tripulação o tradicional  “prepare for landing“;  olhando pela janela, a paisagem do território holandês mudava o tempo inteiro

– eram 10:20h quando tocamos de forma suave a pista holandesa, um pouso seguro; os segundos finais do voo foram ótimos, acompanhar a sombra do B737-800 no solo foi uma experiência prazerosa

– o avião da TRANSAVIA estacionou menos de 05 minutos depois do pouso: todos os (des)embarques são remotos em Roterdã, o aeroporto não tem pontes de embarque; não preciso dizer que foi uma ótima oportunidade para tirar fotos, inclusive de um turbo-hélice fabricado pela canadense Bombardier operado pela inglesa FLYBE

– uma vez chegando no terminal de passageiros, o ambiente do salão de devolução de bagagens era de extrema tranqulidade, nem parecia um aeroporto europeu; as malas que despachei chegaram intactas e rapidamente, encerrando a minha 1ª experiência com a TRANSAVIA

AVALIAÇÃO GERAL: escolhar e TRANSAVIA para voar da Alemanha para a Holanda foi uma ótima decisão; a relação custo-benefício da passagem foi muito boa, o preço foi convidativo e a companhia oferece tipos de tarifas interessantes, sem pegadinhas; o aeroporto Schonefeld/SXF é modesto, mas a sensação de que tudo funciona bem compensa algumas deficiências que poderiam ser apontadas sobre a estrutura do terminal; o Boeing utilizado pela companhia holandesa neste voo era novinho e reflete o produto que é oferecido por uma companhia low-cost tradicional: alta capacidade, com pouco espaço para as pernas, o que não chega a ser um problema para um voo de 01 hora de duração; a pontualidade na chegada à Roterdã é algo que merece elogios; a tripulação recebeu os passageiros de forma calorosa e agiu de forma correta durante todo o voo; o atendimento para a compra das miniaturas de avião foi ótimo; o serviço de bordo é pago e considero que os preços poderiam ser menores, pois estavam comparáveis aos restaurantes da Alemanha; no geral, a minha 1ª experiência com a TRANSAVIA foi positiva, a companhia é uma boa opção para voos dentro da Europa

transavia_ber_rotcomo é voar na transavia; voando na Transavia, vale a pena voar na transavia, como ir da alemanha para holanda

 

1 responder

Trackbacks & Pingbacks

  1. […] Acesse a avaliação completa aqui: Voando no B737 da TRANSAVIA […]

Deixe uma resposta

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *