Voando com a Bangkok Air (BKK-CNX)

_Bkk Air

– vamos em frente com o 5º voo da VOLTA AO MUNDO, desta vez, nada de conforto ou luxo de classe Executiva, nem voo de longa duração, hora de fazer um voo doméstico na Tailândia, saindo de Bangkok com direção à Chiang Mai, localizada no extremo norte e a 2ª maior cidade do país

MAPA_Chang Mai

A BANGKOK AIRWAYS

– quando estava planejando a jornada, pesquisei bastante na Internet as opções de voo (companhia e aeroporto, já que a cidade de Bangkok tem 02 terminais) e escolhi a BANGKOK AIRWAYS

– a companhia foi criada em 1968, sofreu um grande processo de reestruturação em 2004 e atualmente opera vários destinos dentro da Tailândia, além de destinos internacionais para Bangladesh, Camboja, Hong Kong, Índia, Laos, Malásia, Maldivas, Myanmar, Cingapura e Vietnam

– a empresa adota um slogan bastante desafiador:Asia’s Boutique Airline“, na clara tentativa de se diferenciar das várias companhias de baixo-custo (low-cost) que operam na Tailândia; além disso, na site da Internet, há um destaque para o título recebido em 2014 de melhor companhia aérea regional (“The World’s Best Regional Airline 2014“); no ranking geral, ela apareceu em 23º lugar

___bkk

– a frota atual da Bangkok Airways é de 32 aeronaves, de 02 fabricantes europeus:

  • Airbus A319: 12 unidades
  • Airbus A320: 08 unidades
  • ATR-72: 12 unidades

– o site australiano AirlineRatings.com divulga um ranking que analisa: (i) rigor em seguir procedimentos de segurança, (ii) uso de tecnologia de ponta nos sistemas de navegação (iii) e aderência às melhores práticas de segurança de voo (http://www.airlineratings.com/safety_rating_criteria.php); em uma escala que vai de 01 (menor segurança) a 07 (maior segurança), a Bangkok Airways foi classificada no Grupo 3; assim como a AirAsia, preferi ignorar este apontamento

COMPRA DA PASSAGEM

– comprei passagem pela Internet (o site www.bangkokair.com tem versão em inglês) no final de abril de 2016 por 1490Thb (cerca de R$ 150,00) para um voo de 1 hora de duração; a Bangkok Air opera 07 voos diretos por dia para Chiang Mai a partir do Aeroporto Suvarnabhumi, o maior aeroporto de Bangkok; achei o preço apenas razoável, mas o horário de partida (08:05h – voo PG215) era perfeito para mim, a minha programação era passar o dia no destino e retornar no final do dia para a capital

– a companhia oferece 03 tipos de tarifa: Webpromotion (a mais barata, não reembolsável – foi esta que comprei), Web Saver (reembolsável com multa) e Web Freedom (alterações grátis e reembolsável com multa)

____bkk

CHECK-IN

– no meu hotel no centro de Bangkok era fácil e gratuito fazer impressões em um computador disponível aos hóspedes perto da recepção, por isso, resolvi fazer o processo de check-in pela Internet na noite anterior ao embarque; o voo sairia muito cedo em um dia útil, com uma possibilidade de pegar trânsito, preferi não arriscar e quis garantir logo estar com o meu cartão de embarque em mãos

– o processo no site da Bangkok Air é simples e rápido, basta inserir o código de reserva e  o sobrenome do passageiro

__bang

O AEROPORTO SUVARNABHUMI

– a minha experiência com o UBER na Tailândia foi positiva, por isso optei por ele para me levar ao Aeroporto naquela nublada manhã de 2a feira; o custo foi de 450 Thb (cerca de R$ 45,00) para um trajeto de cerca de 25 quilômetros que levou cerca de 30 minutos; o terminal é conectado ao centro por transporte público, há um trem expresso que faz a interligação, mas preferi ganhar alguns minutos de sono e não acordar tão cedo

– cheguei no Aeroporto Suvarnabhumi às 06:50h, com antecendência prudente para o voo  doméstico com horário de partida previsto para 08:05h

– a parte de fora da estrutura não chama muito a atenção, mas por dentro o terminal é enorme, com uma estrutura que mistura metal e vidro, proporcionando uma boa iluminação natural; há vários e imponentes monumentos religiosos espelhados pela área de check-in das companhias aéreas; me impressionou também o intenso movimento de passageiros neste horário

ÁREA DE CHECK-IN

– a Bangkok Air tem 24 guichês de atendimento aos passageiros que querem fazer o check-in e despachar bagagens, localizados na Zona F do aeroporto, dos quais 03 são dedicados para a chamada Blue Ribbon Class (a classe mais premium oferecida pela companhia, são as 02 primeiras fileiras do avião) e para os Premier Members do FlyerBonus, o programa de fidelidade da companhia

– há uma área dedicada de check-in express para os passageiros de todos as companhias aéreas que não vão despachar bagagem, é uma boa opção caso as filas das empresas estejam grandes

img_6774

– os embarques domésticos são feitos no extremo esquerdo do aeroporto, há muitos painéis com a lista dos voos programados para partida, com as informações sendo prestadas em várias línguas; há muita sinalização útil para os passageiros; a passagem pelo controle de segurança foi rápida, há 05 máquinas de raio-x instaladas, todas  estavam funcionando quando passei

EMBARQUE NO A320

– o embarque do meu voo seria feito no Portão B8; para chegar nele, depois de passar por uma zona mais comercial com lojas, tive que passar por 02 longos corredores, que contam com esteiras rolantes para facilitar o trajeto; os portões B07, B08 e B09 são dedicados para embarques com a ajuda de ônibus

– cheguei no pequeno saguão de embarque por volta de 07:25h, pois fui bem devagar, aproveitando as grandes janelas de vidro para tirar algumas fotos do pátio de manobras: a imensa maioria dos aviões por lá eram da Thai Airways (e Thai Smile, a sua empresa de baixo-custo), a maior companhia do país

– o procedimento de embarque foi iniciado às 07:40h: primeiramente, são convocados os passageiros das fileiras 1-12 (“Zone 1”); eu fiquei para a 2ª chamada (“Zone 2”), pois estava na poltrona 25F, uma janela no lado direito e parte de trás do avião; a funcionária da Bangkok Air era disciplinada: barrava quem não respeitava a ordem definida

– depois que o 1º ônibus seguiu com as pessoas da Zone 1, os passageiros da Zone 2 foram chamados para o embraque e pegaram o 2º ônibus; em Bangkok, ao contrário do que estamos acostumados aqui no Brasil, cada companhia aérea tem sua própria frota de ônibus, que são personalizados com cores e logomarca

img_6784

– o trajeto foi rápido até a posição remota onde estava estacionado o Airbus escalado para o voo; o motorista do ônibus só libera a saída dos passageiros depois de parar perto da porta traseira do avião (quem foi no 1º “buzão”, entrou pela porta dianteira)

– atrasei a minha saída do ônibus, afinal embarque remoto é uma boa portunidade para tirar fotos de tudo que está por perto no pátio do aeroporto: neste dia, um ATR-72 da própria Bangkok Air e vários wide-bodies da Thai Airways eram os outros aviões estacionados

– o Airbus A320, prefixo HS-PGV, apelidado de Krabi (um ponto turístico da Tailândia, situado na costa oeste), foi entregue novo em novembro de 2004, ou seja, já tem mais de 11 anos de serviços prestados unicamente à Bangkok Air; é o mesmo tipo de avião que a LATAM usa no Brasil, mas a companhia tailandesa configura a aeronave com apenas 162 lugares, enquanto por aqui este modelo pode levar até 174 pessoas (são 02 fileiras de assentos a mais)

– os bancos são revestidos em tecido azul com ranhuras em outro tom de azul também e estão dispostos de forma clássica: 03 assentos de cada lado; o espaço para as pernas é muito bom; neste voo, a tripulação de cabine (formada por 05 comissários; apesar de menos assentos, a Bangkok coloca mais gente trabalhando do que a LATAM, que coloca apenas 04 aqui no Brasil) não teria muito trabalho, somente 60% de ocupação, eu era o único passageiro na minha fileira

– logo que me sentei, algo me chamou a atenção: as janelas do avião tinham muito riscos, era até difícil tirar fotos

img_7087

– para as instruções de segurança são utilizadas as telas do sistema coletivo de vídeo e bem interessante: é como se fosse um clipe musical, muito divertido; primeiro o filme é exibido na língua local e depois em inglês

– ainda antes da decolagem, um lencinho umedecido é oferecido aos passageiros para limpeza das mãos

img_7090

O VOO

– as portas da aeronave foram fechadas às 08:02h, mas somente 10 minutos depois começou o pushback; o A320 fez um longo trajeto até a cabeceira da pista, aguardamos ainda a decolagem de dois Boeings 747 da Thai Airways e, finalmente, iniciamos nossa viagem com destino a Chiang Mai às 08:34h, depois das 02 turbinas empurrarem o avião por 33 segundos 

– tudo dentro da cabine é estilizado com a logomarca da companhia: cartão de segurança, saco para enjoo e revista de bordo (chamada “Fahthai”)

– o uniforme da tripulação não segue um mesmo padrão entre os comissários e as comissárias: as camisas dos homens são listradas de azul escuro e branco, com calça escura e as mulheres vestem um conjunto em tom azul claro, como pode ser visto nesta foto resgatada na Internet

Bangkok-Airways-Cabin-Crew

– neste momento do voo, achei a cabine um pouco quente, por mais que eu estivesse do lado que o tímido sol batia

– fui conhecer o banheiro do A320 e de novo me deparei com muitos arranhões: o estado da tampa do vaso era deplorável, alem de uma fita adesiva nada discreta segurar parte da parede

– assim que voltei para o meu assento, depois de tirar mais algumas fotos da cabine, o serviço de bordo foi oferecido: uma bandeja de plástico com talheres em inox; um copinho de água estilizado com a logomarca da Bangkok Air e a refeição, que cairia muito bem para um almoço e não para um café da manhã: ovos mexidos com abobrinha, acompanhados de arroz branco e arroz negro; em seguida, os comissários ofereceram café, chá e suco de laranja; a comida estava um pouco fria, dei apenas algumas garfadas, e o café não estava quente, tomei metade

– eram 09:10h quando o Comandante do voo se dirigiu aos passageiros (em tailandês e inglês) e avisou que já estávamos em procedimento de descida para pouso em Chiang Mai, onde a temperatura era de 26 graus e o pouso estava previsto para 09:33h

– logo em seguida, os Comissários oferecem os artigos de compra a bordo; achei as opções caras para a realidade de preços que observei na Tailândia, mas não queria deixar passar em branco e comprei um chaveiro de metal por 390thb (cerca de R$ 40,00)

– o voo continuou de forma muito tranquila, o trem de pouso foi armado às 09:27h, tocamos o solo de forma segura às 09:30h e 04 minutos depois já estávamos estacionados no terminal de passageiros do Aeroporto de Chiang Mai, encerrando a minha primeira (e provavelmente única) experiência com a Bangkok Airways

AVALIAÇÃO GERAL: voar com a Bangkok Airways foi uma experiência de alguns contrastes; o preço da passagem foi apenas bom para um voo de 01 hora de duração (é possível conseguir voos mais baratos saindo do outro aeroporto de Bangkok); por mais que as portas do avião tenham sido fechadas antes do horário previsto de decolagem, a viagem foi iniciada com meia hora de atraso (como o meu dia de turismo seria intenso em Chiang Mai, 30 minutos é muito tempo); o estado geral do A320 é um destaque negativo: as janelas riscadas e o banheiro fazem parecer que o avião foi utilizado por Santos Dumont no início do século; o serviço de bordo é diferenciado, de certa forma até exagerado, para um voo realizado no início da manhã, o que está alinhado com o slogan utilizado pela companhia (“boutique”); enfrentei uma atitude correta e atenciosa da tripulação durante todo o voo e produtos caros para a realidade da Tailândia são vendidos a bordo; em resumo, foi uma viagem interessante para conhecer uma tradicional e pequena companhia aérea da Tailândia, mas a experiência não foi das melhores

_Bkk Air Selos

voando na Bangkok Airways , voando com a Bangkok Air , vale a pena voar com a Bangkok Air , companhia aérea Tailândia , como é voar com a Bangkok Air , como é voar na Bangkok Air , opções de voo na Tailândia , companhias aéreas na Tailândia , empresas aéreas na Tailândia , empresas de baixo-custo na Tailândia
5 respostas

Trackbacks & Pingbacks

  1. […] sensacional, foram 10 dias espetaculares, voando e avaliando a British Airways, a Qatar Airways, a Bangkok Airways, a Nok Air, a AirAsia, a Thai Airways, a Air New Zealand, a Jetstar e a LATAM, visitando Londres, […]

  2. […] boa chance de comparar os serviços de uma companhia tradicional – no voo de ida, escolhi a Bangkok Airways – com uma companhia de baixo-custo (low […]

Deixe uma resposta

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *