Voando com a QATAR (JNB-DOH)

_____Label Qatar

– este é o 3º trecho da VOLTA AO MUNDO: hora de começar um longo trajeto até a Ásia, uma jornada dividida em 02 partes: primeiro, vou voar de Johanesburgo (na África do Sul), para Doha (no Qatar); depois de uma conexão de 02 horas, seguirei de Doha para Bangkok (na Tailândia); tudo com a Qatar Airways; farei avaliações separadas, pois os voos serão feitos em 02 tipos diferentes de aeronave

JNB_DOH_NOVO.png

EMISSÃO DA PASSAGEM

– originalmente, emiti a passagem com bastante antecedência: julho de 2015 (planejamento é tudo!), utilizando Pontos do Programa Fidelidade da TAM, foram 30.000 pontos para voar na classe Econômica da Qatar Airways (parceira da companhia brasileira na aliança global One World); um voo direto de 08 horas de duração, cruzando a África em direção ao Oriente Médio; para o voo seguinte da jornada (de Doha para Bangkok), eu usei milhas do Programa SMILES, foram 47.500 milhas para voar na classe Executiva

– nos meses seguintes, fiquei pesquisando constantemente com TAM e SMILES para tentar fazer a emissão de um único bilhete para voar na classe Executiva nos 02 trechos (JNB-DOH + DOH-BKK); seriam 85.000 pontos para emitir com a TAM (uma outra opção era voar com Cathay Pacific via Hong Kong) ou 100.000 milhas do Programa SMILES para voar com a Qatar; as pesquisas foram em vão…

– mas, na manhã do dia do voo, resolvi dar uma aquela última e despretenciosa olhada no site do SMILES e………tinha vaga !!!!!! Decidi usar a opção SMILES&MONEY: 60.000 milhas +R$ 1.016,00

smilesqatar

QATAR AIRWAYS

– a Qatar Airways é a empresa oficial de seu país e é famosa por ser considerada sempre uma das melhores companhias aéreas do mundo, sempre brigando pelo posto de número 1; em 2015, ela levou o título, desbancando a Singapore Airlines, a Cathay Pacific e a Emirates

– atualmente, ela opera para mais de 140 destinos a partir do Aeroporto de Doha, tendo mais de 160 aviões na sua diversificada frota, formada por aviões da Boeing (B777 e B787) e Airbus (A320, A321, A330, A340, A350 e A380)

– esta está sendo a minha 2ª experiência com a Qatar, voei com ela no final de 2014 na classe Executiva no curto trecho São Paulo/GRU para Buenos Aires/EZE (menos de 03 horas de voo); a companhia foi eleita a melhor companhia aérea do mundo em 2015, portanto, a expectativa, que já era alta para voar na classe Econômica, agora ficou altíssima para conferir o serviço oferecido na classe “premium” em um voo de longa duração

– 20 dias antes da viagem, entrei em contato com a Central de Atendimento da Qatar no Brasil para tirar a seguinte dúvida: “eu vou fazer uma conexão em Doha com 02 bilhetes diferentes, gostaria de confirmar que não preciso de visto para entrar no Qatar“; me pediram para mandar um e-mail, o que foi feito em 06.05.2016…estou esperando a resposta até hoje…com a emissão de um bilhete único de última hora, este problema foi resolvido

AEROPORTO DE JOHANESBURGO

– os voos internacionais partem do Terminal A do Aeroporto Internacional Oliver Tambo: é um prédio com infraestrutura antiga e incrivelmente escuro; o voo estava marcado para 14:10h e cheguei lá 02 horas antes; o movimento de passageiros era pequeno

– fui direto para a área de check-in da Qatar: eram 08 guichês para atendimento aos passageiros, sendo que 02 deles dedicados para a classe Executiva: a simpática funcionária Karabo me atendeu: atenciosa, imprimiu rapidamente meu boarding pass e me deu um voucher (uma xerox mal feita, na verdade) para usar a Sala VIP terceirzada que é utilizada neste aeroporto; por fim, me deu explicações de como chegar nela

– feito o check-in, era hora de passar pelo controle de segurança: apenas 02 aparelhos de raio-x dos 06 instalados estavam funcionando; na fila 10 pessoas a minha frente, demorei 05 minutos para passar; já no controle de passaporte, são 18 cabines, apenas 07 funcionavam; foram mais 05 minutos de fila

– a parte interna do aeroporto é mais moderna, muitas lojas e iluminação adequada; a guia que me atendeu em Johanesburgo me sugeriu visitar a loja Out Of Africa e a dica foi ótima: é grandea quantidade de produtos e artesanatos locais impressiona e os preços são bastante razoáveis; comprei uma girafa de 50 centímetros de altura para compor a minha coleção, além de alguns potes para levar de presente para família

SALA VIP

– parti em direção à Sala VIP terceirizada que a Qatar utiliza no aeroporto sul-africano: Bidvest Premier Lounge, um espaço que funciona 24 horas por dia e é utilizado por várias companhias aéreas, tais como: Air Namibia, Kenya Airways, El-Al e Egyptair; cheguei lá por volta de 12:30h e demorei um pouco para entrar, pois as recepcionistas estavam enroladas atendendo um outro passageiro

– vencida a barreira da recepção, dei uma volta na Sala VIP: me impressionei positivamente, é um lugar grande e confortável, com vários ambientes e com buffet bastante bastante variado, além de muitas opções de bebidas; preferi não comer muito, queria estar com fome para aproveitar o serviço de bordo da Qatar: tomei uma taça de vinho tinto e devorei alguns queijos

– na recepção, perguntei se eles fariam o anúncio de embarque para o meu voo e a resposta foi: SIM; já eram 13:25h e nenhum aviso tinha sido feito, decidi ir embora, por segurança (ainda bem…)

EMBARQUE NO B787

– a caminhada até o Portão A18 seria muito longa, mas foi uma boa oportunidade para conhecer um pouco mais o Aeroporto Oliver Tambo: muitas lojas e restaurantes; as amplas janelas de vidro permitem uma ótima visão do pátio e dos aviões encostados nos fingers

– o meu portão de embarque era o mais distante possível, no oposto extremo do terminal; funcionários da Qatar estavam no meio do caminho indicando que o embarque estava sendo encerrado e que eu precisava acelerar o ritmo para não perder o voo; simplesmente, fui o penúltimo passageiro a embarcar e o painel digital indicava que o voo já estava fechado quando cheguei

– na porta do Boeing B787-8 que me levaria até Doha estava um casal de comissários para me receber com sorrisos, apesar do meu atraso; os passageiros entram pela porta que fica em frente a um pequeno lounge e eles me perguntaram qual era o meu assento, me indicando que eu tinha que pegar o 1º corredor a esquerda

– o B787 da Qatar está configurado com 232 lugares na Classe Econômica e 22 lugares na Classe Executiva (neste voo, 21 deles estavam ocupados), ou seja, carrega até 254 passageiros

– o uniforme da tripulação é simples, mas elegante: as comissárias usam uma calça roxa e uma camisa branca; na hora do serviço de bordo, elas botam um paletó azul escuro

– a configuracao da Business Class é 1x2x1, em formato de “espinha de peixe” e todos os passageiros têm acesso direto ao corredor, o que é excelente, dá total liberdade para ir ao banheiro ou pegar algo no bagageiro, sem incomodar ninguém; me chamou a atenção o seguinte: não há bagageiros superiores na parte central, somente nas laterais; o meu assento era o 5A, uma janela do lado esquerdo do avião, última fileira da classe Executiva;  na verdade, não tinha uma janela na altura do meu lugar, a mais perto ficava na altura do passageiro à frente (4A)

787

Seat Guru alerta: a poltrona 5A tem uma janela desalinhada

– o Boeing escalado para este voo tinha o prefixo A7-BCN, entregue a Qatar em agosto de 2014 e está sendo muito bem conservado pela companhia, pois estava com seu interior imaculado 

– depois que acomodei minha bagagem, a Comissária Auste veio se apresentar e a excelência do serviço prestado pela Qatar começou a aparecer: ela se agacha para falar com os passageiros, de forma a ficar no mesmo nível, evitando que eles fiquem com o pescoço esticado; ela me ofereceu bebida (várias opções, pedi champanhe) e toalha (quente ou fria, eu escolhi a quente) com toda a calmaatenção e educação

– logo depois de me servir, ela me deu o menu de comida e o menu de vinhos, junto com a necessaire da Giorgio Armani com meias, protetor de ouvido, perfume, loção pós-barba e protetor labial (pasta/escova de dente e aparelho de barbear estão disponíveis no banheiro)

– o vídeo com as instruções de segurança (feitas em inglês e árabe) tem um atrativo especial: é um filme divertido e estrelado pelos jogadores do Barcelona, time de futebol patrocinado pela Qatar; o nosso craque Neymar aparece com destaque

– a poltrona fica em uma posição diagonal e é muito confortável; um travesseiro (de ótimo tamanho) e um cobertor são deixados em cima dela; uma tomada e uma porta USB estão instaladas perto do apoio do braço esquerdo; já no apoio do braço direito, ao levantar a parte de cima, o fone de ouvido e uma garrafa de água estão à disposição; o detalhe da fivela do cinto com a marca da Qatar chamou minha atenção; o título de melhor assento de classe Executiva no ano de 2015 foi bem merecido

VOO

– tudo pronto para a partida, o pushback foi feito às 13:57h (mais de 10 minutos antes do horário de partida) e fizemos um longo taxiamento até a cabeceira da pista, onde alinhamos às 14:08h e, logo em seguida, 0 B787 começou a aceleração máxima dos 02 motores Rollys Royce por 42 segundos e ganhamos altura rumo ao Oriente Médio; uma das características principais deste modelo da Boeing aparece neste momento: a cabine é extremamente silenciosa

– outra marca do B787 é a ausência de cortinas nas janelas: elas podem ser escurecidas eletronicamente com o acionamento de um botão localizado bem abaixo da janela

– logo depois que o aviso de apertar cintos foi apagada (por volta de 14:30h), as Comissárias começaram a consultar os passageiros sobre a escolha dos pratos para o almoço: as 03 opções eram filé com molho de pimenta, cenoura e legumes salteados / arroz indiano de frango com pedaços de tempero marinado em camadas com ervas e arroz basmati / ravioli de abóbora ao pesto, com molho de queijo azeitonas verdes e pretas e rúcula; o filé estava esgotado (mais uma vez, ficar na última fileira traz suas consequências negativas), a Comissária ia confirmar que realmente tinha acabado, mas já pediu para eu escolher logo uma 2ª opção: preferi o ravioli; a lista de vinhos é excelente, prestigiei a América do Sul, com um Malbec argentino que adoro: Catena (as outras opções eram francês e australiano)

– no aguardo do meu almoço, resolvi testar o sistema de entretenimento e só há uma palavra para resumir: espetacular; a tela é enormetouchscreen, de alta resolução; o  controle remoto também é touchscreen e todos os comandos são feitos na tela dele; há uma  grande variedade de filmes, fica até difícil de escolher; é possível selecionar pelo tipo de filme, mas também pela língua, pesquisei as opções em português e quis assistir “Spotlight“: gostei do premiado filme que conta a história da pedofilia na Igreja Católica americana e que foi estrelado por Michael Keaton, Rachel McAdams e Mark Ruffalo

– vale um registro específico para o fone de ouvido que a Qatar oferece para os passageiros da Business Class: é perfeito, oferece ótimo isolamento acústico, você chega a esquecer que está dentro de um avião; ele é personalizado com a marca da companhia e o plástico onde ele fica guardado deixa claro: propriedade da Qatar, ou seja, não é um brinde!!!!

– quando eram 14:45h, foi servido o vinho que eu tinha escolhido, junto com um potinho de castanha de caju; neste momento, mais uma prova de como a Qatar treina sua tripulação pensando sempre nos detalhes: quando a Auste foi colocar o vinho na taça, pingou uma gota no guardanapo; percebi que ela se incomodou com o pequeno erro; 15 segundos depois, ela voltou e trocou o guardanapo

– quando o almoço começou a ser servido, um cheiro gostoso de pão surgiu na cabine, com certeza, ajudou a aumentar a fome; a arrumação da mesa é orquestrada, a comissária faz tudo com muita calma, sem afobação; na medida que os outros passageiros eram servidos, me arrependia da minha escolha, os pratos eram cada um mais apetitosos que os outros

– a sopa de cogumelos servida como entrada estava uma delícia, não estava muito quente, do jeito que eu gosto; a salada também estava muito boa; frango estava um pouco apimentado, mas divinamente bom; de sobremesa, o sorvete de baunilha e morango, com calda de frutas vermelhas também estava delicioso; enfim, foi uma refeição maravilhosa, do início ao fim

– para finalizar, chácafé e licor foram oferecidos; quando Auste foi me servir um “black coffee“, ela viu que o pano que cobria a mesa estava sujo e perguntou se eu querida troca-lo, eu pensei: claro que não!!!!! Por que?!?!?

– depois do banquete, resolvi testar o sistema de Wi-Fi, que permite conectividade a Internet por 05 dólares (12Mb de franquia): depois de abrir uma conta e cadastrar meu cartão de crédito, a conexão foi ativada: boa velocidade de acesso, mas a franquia foi consumida rápida, foi possível apenas mandar algumas fotos no WhatsApp para a família e responder alguns comentários do Facebook, além de acessar  o FlightRadar para conferir a rota que o meu voo seguia (estávamos a 39.000 pés de altitude a uma velocidade de 490 nós ou 909 km/h)

– depois disso, fui conhecer o banheiro do B787 da Qatar: a primeira coisa que reparei foi a janela, o que não é comum; o tamanho é razoável, mas não se compara com os gigantescos que usei no A380 da British; aparelho de barbear e um kit com escova e pasta de dente estão à disposição dos passageiros (lembrando: na necessaire não vem nada disso)

 – no caminho de volta para o meu lugar, aproveitei para tirar algumas fotos da cabine: portas da aeronave e do mini-lounge instalado na parte de trás da sessão dedicada à classe Executiva, onde frutas, snacks e champagne ficam à disposição dos passageiros depois que o serviço de bordo é encerrado

– antes de voltar para o meu lugar, consegui tirar a foto que mais gosto: asa e turbina; a inclinação da asa é aparente, bem como a parte traseira da turbina, típica do B787

– há Free Shop a bordo, uma revista mostra as opções de compra; me interessei pelo relógio personalizado da companhia e o jogo de cartas, mas, infelizmente, ambos estavam indisponíveis; a aeromoça afirmou que eu encontraria nas muitas lojas que vendem produtos da Qatar no aeroporto de Doha (de fato, achei o baralho, mas não o relógio)

– lá fora, escureceu rápido, antes de 17:30h a noite já tinha caído, aproveitei para tirar fotos da cabine: a maioria das telas estava ligada, ou seja, os passageiros curtiam o sistema de vídeo

– ainda faltavam mais de 04 horas de voo e comecei a ver outro filme: “Race”, que conta a história do corredor negro americano que vive o dilema de ir para as Olimpíadas de 1936 na Alemanha nazista; gostei, foi um bom passatempo

– o cansaço apareceu e decidi tentar dormir; com apenas um aperto de botão a poltrona  calmamente vai virando uma cama (não chega a ser full flat, são 177 graus de inclinação); o espaço lateral do assento nesta posição é bom, mas no começo senti um pouco de desconforto com os pés, porque o espaço para as pernas vai afunilando, mas rapidamente me acostumei; dormi por 03 horas, um bom sono, consegui repor parte das energias; o travesseiro é grande (o que para mim é essencial) e o cobertor é confortável

– quando acordei, Auste estava atenta: rapidamente veio me perguntar se eu queria comer ou beber algo: achei justo tomar um champagne…

– o Comandante avisou que já estávamos começando a descer; o procedimento de descida para pouso em Doha foi muito tranquilo, sem turbulências; pousamos às 22:48h (Doha tem um fuso de +1 hora em relação à Johanesburgo); encostamos no portão D3 às 22:52h, encerrando mais um voo da Qatar Airways, a melhor companhia aérea do mundo na opinião dos passageiros

Avaliação do voo São Paulo-Buenos Aires:

Voando com a QATAR (GRU/EZE)

AVALIAÇÃO GERAL: sem dúvidas, o título de melhor companhia aérea do mundo em 2015 faz todo sentido; os fatos negativos merecem registro: a falta de resposta à minha consulta sobre a necessidade de visto para entrar no Qatar, a falta de anúncio na Sala VIP no aeroporto de Joanesburgo e a falta da minha 1ª opção de escolha para o almoço; entretanto, todo o resto foi simplesmente perfeito: o atendimento no check-in foi ótimo, a estrutura da Sala VIP é muito boa, o atendimento da tripulação, em especial, a comissária Auste foi impecável, a conservação e o tipo da aeronave impressionam, o serviço de bordo foi excelente; os aspectos positivos foram tão intensos que esqueço os poucos negativos, foi uma experiência espetacular 

Qatar_787_JNB_DOH

como é voar com a Qatar , como é o serviço da Qatar , Vale a pena voar com a Qatar , Como é voar no Boeing 787 ; Como é voar no Boeing 787 da Qatar , Como é voar na Executiva da Qatar , como é voar na Qatar , como é voar na Qatar no 787?
9 respostas

Trackbacks & Pingbacks

  1. […] – de Joanesburgo para Doha – Classe Executiva: confira AQUI […]

  2. […] Acesse a avaliação completa aqui: Voando no B787 da QATAR AIRWAYS […]

  3. […] Voando com a Qatar Airways – classe Executiva – JNB/DOH […]

  4. […] Voando com a Qatar Airways – classe Executiva – JNB/DOH […]

Deixe uma resposta

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *